Startup de entrega sem motorista da China mira investir nos EUA

A startup de entrega autônoma Whale Dinamic, com sede em Shenzhen e fundada em 2018 por um ex-Baidu, David Chang, disse à imprensa que fechou uma rodada de investimento inicial de US$ 2,5 milhões (mais de R$ 12,5 milhões).

Criada em 2018, a startup desenvolve vans de entrega sem motorista semelhantes ao Nuro — que são máquinas autônomas de entrega e cobrança que rodam sem motorista, elétricos e que funcionam de forma robotizada. 

Os robôs da Nuro são construídos pela chinesa BYD, já a Whale Dinamic vai contar com uma outra fabricante chinesa para fabricar os veículos.

O diferencial entre a Whale Dinamic e a Nuro está nos custos de produção. Enquanto a Nuro constrói seus componentes nos Estados Unidos, os autômatos da startup chinesa são feitos integralmente na China — da fabricação à montagem — o que garante uma vantagem de preço em relação à startup norte-americana. Segundo os chineses, suas máquinas têm o custo de montagem de cerca de US$ 20 mil cada. 

Com este aporte, a startup vai expandir sua equipe nos Estados Unidos e China. Ao entrar no mercado norte-americano, a startup deve escolher fornecedores de tecnologia do próprio país, como Nvidia e Intel para chips, Outer para sensores LiDAR, além da israelense Innoviz com escritórios nos EUA, enquanto o desenvolvimento do hardware será feito na China.

A startup planeja oferecer veículos prontos para o uso de software como serviço (Saas), deixando a parte operacional para os clientes, diferente da Nuro que opera integralmente suas frotas. Assim, limitando a quantidade de dados confidenciais que a startup poderia coletar. 

Concorrência robótica

A Whale Dinamic enfrenta forte concorrência em seu país. Meituan e JD.com começaram a testar ano passado  seus próprios veículos autônomos de entrega de mercadorias.

Em entrevista ao Tech Crunch, David Chang disse que a sua startup segue o caminho mais lento, para conduzir melhor a pesquisa e desenvolvimento, para que assim, diferente de suas concorrentes, sua empresa busca testar mais para construir um veículo mais resistente e seguro. 

Atritos entre China e EUA atrapalham startups

Com recentes atritos regulatórios entre China e Estados Unidos sobre questões de riscos à segurança nacional, as empresas que estão entre os dois países buscam atender as regulações ou escolher um dos lados. 

Como é o caso da TuSimple, uma empresa autônoma de caminhões sediada na Califórnia, que é apoiada pela gigante de mídia social Sina, tenta — que, segundo a agência de notícias Reuters, tentar vender sua unidade na China.

A rodada foi liderada pela Qianchuang Capital, sediada em Pequim, e gerida por veteranos das principais instituições financeiras chinesas, apoiado pelo fundo imobiliário chinês Shangbang Huizhong.  

Informações do portal SBT News.