TSE propõe reunião com Telegram para discutir período eleitoral

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Edson Fachin, enviou, na manhã desta terça-feira (22), um novo ofício aos representantes do aplicativo Telegram para aderirem ao Programa de Enfrentamento à Desinformação. O e-mail foi encaminhado ao diretor-executivo do serviço de mensagens, Pavel Durov, e ao escritório de advocacia contratado para representar a empresa no Brasil.

No documento, Fachin propôs a realização de uma reunião virtual no dia 24 de março com integrantes da Assessoria Especial de Combate à Desinformação do Tribunal para discutir possíveis formas de cooperação entre o Telegram e o TSE para administrar os impactos negativos das notícias falsas no cenário eleitoral deste ano.

“Os acordos em questão propiciam subjacentemente a abertura de canais para um diálogo direto e profícuo, necessário para garantir que a transgressão generalizada e sistemática dos limites da liberdade de expressão, notadamente na senda das práticas desinformativas e disseminadoras de ódio, não comprometa a eficácia do Estado de Direito, por meio da demissão do direito posto”, afirmou o ministro.

Segundo ele, a colaboração entre as entidades será celebrada a título gratuito e não acarretará custos financeiros ou transferência de recursos. 

Com o objetivo de combater a desinformação durante o período eleitoral, o Tribunal já negociou parceria com dezenas de instituições e plataformas digitais. Apenas em fevereiro, foram firmados acordos com os representantes do Twitter, TikTok, Facebook, WhatsApp, Google, Instagram, YouTube e Kwai.

Informações de SBT News