Após três quedas, confiança do industrial paranaense aumenta em abril

Depois de três meses em queda, o Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI), medido pela pesquisa mensal da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep) e pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), voltou a crescer em abril. Ficou em 57,1 pontos, acima dos 50, em uma escala que vai até 100, na área de otimismo. Desde janeiro, quando fechou em 58,7 pontos, o indicador estava em trajetória decrescente. Esteve em 56,9 em fevereiro e, em março, caiu para 53,9 pontos.

A pesquisa mensal do ICEI mede o grau de confiança do empresário com relação aos negócios e à economia. “É a maneira como ele enxerga o comportamento da atividade industrial no momento e como esse cenário afeta o desenvolvimento dos seus negócios. Momentos de incertezas como o que vivemos agora, com inflação e taxa de juros em alta e ambiente de guerra na Europa influenciam na tomada de decisões dos empresários”, explica o economista da Fiep, Marcelo Alves. “O monitoramento de indicadores que possam apontar tendências de comportamento torna-se ainda mais relevante para se vislumbrar os caminhos que determinado segmento tomará no futuro”, justifica.

A pesquisa mensal consegue captar as percepções do empresário sobre a evolução da conjuntura econômica. Pela composição do ICEI este foi um mês atípico.

“O histórico da pesquisa aponta para uma redução na pontuação média da confiança do empresário da indústria quando comparamos os quatro primeiros meses deste ano e de 2021”, informa o economista. “Saiu de 60,3 pontos no primeiro quadrimestre do ano passado para 56,6 este ano, mesmo com a segunda onda da covid-19 em pleno desenvolvimento neste período no ano anterior”, justifica.

Para o economista, a explicação pode ser que mesmo diante de uma piora nas condições sanitárias, havia uma alta expectativa com relação a uma retomada forte da economia em 2021. E isso se refletia nos indicadores mensais. “Agora, a inflação e a taxa de juros em alta podem ter influenciado na opinião do empresário, que também teme a escassez e alta nos preços de insumos e matérias-primas para produção. Essa cautela pode ter contribuído para a redução do otimismo de um ano para outro”, analisa.

O último boletim Focus emitido pelo Banco Central mostra que o índice de inflação está em 3,2% no acumulado deste ano. Em março, ficou em 1,62%. Nos últimos 12 meses, já chega a 11,30%.

Informações da Agência Fiep