Celebração de Corpus Christi retornará às ruas de Curitiba após dois anos

Uma das principais celebrações da Igreja Católica, a celebração de Corpus Christi retorna às ruas de Curitiba no dia 16 de junho, dois anos depois de ser paralisada devido à pandemia do coronavírus.

Os tradicionais tapetes coloridos que revestem as ruas para celebrar a Eucaristia dão também um caráter cultural ao evento. Na capital paranaense, são cerca de 1,5 quilômetro de tapetes, que saem da Catedral Metropolitana, na Praça Tiradentes, atravessam a Avenida Cândido de Abre até chegar à Praça Nossa Senhora da Salette, no Centro Cívico. Cerca de 4 mil pessoas são responsáveis pela confecção.

A extensão dos adornos e o número de fiéis que se reúnem na data – a previsão da Arquidiocese de Curitiba é superar a última marca de 115 mil pessoas que se reuniram na última procissão, em 2019 – faz do Corpus Christi da Capital um dos maiores do mundo. O recorde, inclusive, é pleiteado pela Arquidiocese junto ao Guinness World Records.

O arcebispo de Curitiba, dom José Antonio Peruzzo, explicou que, neste ano, o tema da celebração será Paz, com o objetivo de trazer uma mensagem otimista em um momento com tantos conflitos. “Precisamos fazer do tema da paz, da reconciliação e da serenidade uma causa que impregne em todas as casas e pessoas”, disse.

Ele também destacou a tradição cultural do evento, com os tapetes que são verdadeiras obras de arte colorindo as ruas. “A arte é a melhor linguagem para falar das experiências humanas. No caso do Corpus Christi, a experiência de arte e cultura demonstra as relações de convívio, são mais de 4 mil pessoas que se reúnem para confeccionar os tapetes. É uma motivação comum a todos, que conjuga a singularidade de cada grupo e a experiência de fé de toda uma comunidade, é a expressão artística de fraternidade”, salientou o arcebispo.

Informações da Agência Estadual de Notícias