Curitiba vai receber a última obra de Emanuel Araújo

Curitiba terá a última obra de Emanuel Araújo. O artista, que morreu na manhã desta quarta-feira (7), em São Paulo, esteve recentemente na capital paranaense para dobrar o aço da escultura de 8 metros de altura que será instalada no Parque Tingui, em novembro, no mês da Consciência Negra. O prefeito Rafael Greca decretou luto oficial pelo que Emanuel Araújo representa na cultura Afro-Brasileira.

“Emanoel foi grande e foi nosso. Grande expoente da arte brasileira. Baiano de Santo Amaro da Purificação, criador do colossal Museu Afro Brasileiro no Parque do Ibirapuera. Possam os anjos acolher sua alma generosa de grande e fecundo artista negro no paraíso”, afirmou o prefeito em suas redes sociais.

Araújo esteve recentemente em Curitiba para trabalhar na empresa Brafer, de Marino Garofani, para execução da escultura. “Vamos executar postumamente sua obra em aço, de 8 m de altura, já que deixou seu projeto conosco”, confirmou o prefeito.

Escultura

A escultura vermelha, que marcará o centenário do movimento modernista e dos 200 anos de Independência do Brasil, é uma doação da galeria Simões de Assis e da empresa curitibana de engenharia metálica Brafer, responsável pela execução da peça.

Para o prefeito Rafael Greca, a escultura de Emanoel Araújo, artista reconhecido internacionalmente, é mais um presente que a cidade ganha e que se soma a outras esculturas já instaladas em espaços públicos, democratizando o acesso da população à arte.

“Essa importante obra se junta as duas esculturas de Tomie Ohtake (Portão e Praça do Japão), às 120 pelas de João Turin (Memorial Paranista) e também aos murais de Poty Lazzarotto, transformando a cidade em uma galeria de arte a céu aberto”, disse o prefeito Rafael Greca.

No caminho da Linha Turismo

O local escolhido pela Prefeitura de Curitiba para a implantação da nova escultura é na beira do lago do Parque Tingui, entre os bairros São João e Vista Alegre, no caminho para Santa Felicidade e também por onde passa a Linha Turismo, no cruzamento das ruas José Casa Grande e Professor Dario Garcia.

“O local foi muito bem escolhido, tem uma boa visibilidade por quem trafega pela região e especialmente por estar no trajeto dos turistas” afirmou Waldir Simões de Assis Filho, proprietário da Galeria Simões de Assis.

O artista

Fundador do Museu Afro Brasil, em São Paulo, Emanoel Alves de Araújo nasceu em Santo Amaro da Purificação, Bahia, em 1940. Descendente de três gerações de ourives, escultor, curador e museólogo entre outras qualificações artísticas, suas obras foram  marcadas por cores fortes, texturas e formas geométricas, onde explorou criativamente a herança africana na cultura brasileira.

Expôs em várias galerias e mostras nacionais e internacionais, somando cerca de 50 exposições individuais e mais de 150 coletivas. Em sua vasta trajetória constam uma medalha de ouro na 3ª Bienal Gráfica de Florença, Itália, e vários prêmios nacionais.