Entenda o que pode impactar no preço dos combustíveis na RMC

As cidades da Região Metropolitana de Curitiba (RMC) têm a gasolina mais cara do Paraná, segundo pesquisa da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). A agência faz o levantamento do preço do litro do combustível em 23 municípios do estado. 

Dentre as cidades pesquisadas, São José dos Pinhais tem o litro mais caro (R$ 7,38), seguido por Colombo (R$ 7,369), Curitiba (R$ 7,363), Pinhais (R$ 7,342) e União da Vitória (R$ 7,288).  

Já os municípios paranaenses com a gasolina mais barata são Francisco Beltrão (R$ 6,917), Campo Mourão (R$ 6,947), Paranaguá (R$ 6,974), Guarapuava (R$ 6,983) e Cambé (R$ 6,985). 

Fatores que impactam no preço final 

Segundo o Sindicato dos Revendedores de Combustíveis e Lojas de Conveniências do Estado do Paraná (Paranapetro), como não há tabelamento no mercado de combustíveis do Brasil, é comum que cidades e até mesmos bairros apresentem diferença nos preços. Além disso, por causa dessa dinâmica do mercado, os próprios municípios podem apresentar diferenças de uma semana para outra.  

Existem dois fatores principais que explicam por que alguns municípios têm o preço da gasolina mais caro, de acordo com a Paranapetro: cada cidade oferece custos diferentes e que variam com frequência para os postos de combustíveis, como aluguel do imóvel, salários, manutenção e segurança. 

O outro fator é que distribuidoras costumam vender a gasolina com preços diferentes para os postos de cidades diferentes. Isso acontece até mesmo dentro de uma mesma cidade, com variação entre as regiões.  

Em nota, a Paranapetro ainda esclareceu que os postos de combustíveis são os agentes com menor impacto no aumento do preço da gasolina, e que as variações se devem principalmente à Petrobras, refinarias, usinas, distribuidoras e importadores de combustíveis.