Fórum debate ações para reduzir mortes no trânsito de Curitiba

Ruas mais seguras para todos, convivência harmônica, multimodalidade e redução da velocidade nas vias urbanas são os desafios para o trânsito na próxima década. Os pontos foram destacados pela superintendente de Trânsito de Curitiba, Rosangela Battistella, em apresentação aos participantes do Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes de Mobilidade Urbana.

As vantagens e resultados obtidos com a redução de velocidade também foram apresentados na 19ª edição do Fórum Nacional de Secretários de Mobilidade Urbana, nesta quarta-feira (23), no Parque Barigui.  

Reunindo 86 gestores de 27 cidades e estados das cinco regiões do País, o fórum faz parte da programação do Smart City Expo 2022 em Curitiba, e tem como objetivo debater ideias e ouvir as demandas dos municípios para diminuir o número de vítimas no trânsito. 

Entre as iniciativas que mereceram destaque esteve a do município espanhol de Pontevedra. O prefeito da cidade europeia, Juan Gonzales Peres, contou como a cidade reduziu a velocidade dos veículos para 30km/h em todas as vias. A ação zerou as mortes no município espanhol e diminuiu em 70% os acidentes, além de emitir 70% menos CO2 na atmosfera. Por lá, as crianças vão para escola a pé e a cidade fica mais viva com pessoas nas ruas em convivência.

Embasado em pesquisas técnicas comprovadas, o professor do Departamento de Mobilidade da Universidade Federal do Paraná (UFPR) Tiago Bastos, participante do evento, mostrou que a velocidade, quando abusiva, é o maior promotor de risco. O acadêmico também chamou a atenção para o fato de que as ações de engenharia de tráfego, planejamento, gestão e controle do trânsito são determinantes para a diminuição das mortes.

O fórum desta quarta-feira teve ainda a palestra de Bruno Rizzon, analista pleno de Mobilidade Ativa do instituto de pesquisa WRI Brasil, que transformou ideias em ações para promover a proteção do meio ambiente, oportunidades econômicas e bem-estar humano. Ele mostrou como é importante o novo conceito de vias compartilhadas, dentro do qual todos os modais (carro, pedestre e ciclista) dividem o espaço e melhoram a segurança das vias. 

Apresentação de soluções

Comandado por Frederico de Moura Carneiro, secretário nacional de Trânsito, o fórum tem a representação de integrantes de estados, municípios e de órgãos responsáveis pela mobilidade urbana. “Através de eventos como este, apresentamos soluções desenvolvidas por todos, fazendo com que a meta de redução de mortes no trânsito seja alcançada nesta década”, afirmou Carneiro.

Curitiba foi representada pela superintendente de Trânsito, Rosangela Battistella, e pelo presidente da Urbs, Ogeny Pedro Maia Neto. “Esses encontros são muito importantes para que possamos conhecer as soluções mais modernas que estão sendo aplicadas no Brasil e mundo com o objetivo de salvar vidas e melhorar o trânsito em nossa cidade”, afirmou Rosangela. 

Plano nacional

Durante o fórum também foram apresentadas pelos representantes do governo federal as metas e objetivos do Plano Nacional de Redução de Mortes e Lesões no Trânsito (Pnatrans).

Foram criados seis grupos de trabalho que reúnem especialistas de órgãos e entidades do Sistema Nacional de Trânsito (Senatran, Detrans, órgãos municipais de trânsito, Cetrans, DNIT, DER, PRF, Polícia Militar e ANTT), bem como representantes de universidades, organizações sociais, entidades do setor produtivo e corpo de bombeiros militar, a fim de propor e viabilizar ações que tragam um retorno positivo à sociedade. A medida visa, ainda, alinhar o Pnatrans à nova Década de Ações para a Segurança no Trânsito promovida pela ONU.

As informações são da Prefeitura Municipal de Curitiba.