Grupo suspeito de aplicar ‘golpe da herança’ é alvo de operação da Polícia Civil

Policiais civis do Paraná e de Santa Catarina cumprem, na manhã desta segunda-feira (29), três mandados de prisão e cinco de busca e apreensão contra um grupo suspeito de aplicar o ‘golpe da herança’, um desdobramento do golpe do bilhete premiado.

A operação foi deflagrada pela Polícia Civil de Santa Catarina (PCSC) e conta com o apoio de policiais do Paraná. Os mandados são cumpridos em Curitiba. O grupo, porém, aplicava os golpes no estado catarinense.

Os policiais apreenderam dinheiro e documentos falsos, cartões e dois veículos. Duas mulheres foram presas.

Golpe da herança

O ‘golpe da herança’ seria uma variação do conhecido golpe do bilhete premiado. Os criminosos abordavam as vítimas com um falso documento, afirmando que tinham uma herança milionária para receber. Eles contavam uma história de que precisavam de ajuda e pediam certas quantias em dinheiro, com a promessa de que, depois de receberem a herança, pagariam para elas grandes valores.

Geralmente, os golpistas pediam cerca de R$ 5 mil ou R$ 10 mil reais, e prometiam pagar R$ 100 mil.

Segundo o delegado Rodrigo Bueno Gusso, da PCSC, algumas vítimas chegaram a perder R$ 800 mil. O principal perfil dos lesados são idosos, abordados na saída de bancos. Os golpistas se passavam por pessoas bem vestidas e simpáticas.

“O perfil geral dessas vítimas são pessoas idosas, mais vulneráveis. Elas caem nesse conto com maior facilidade, mostram uma empatia muito grande, então essas quadrilhas acabam se especializando em abordar essas vítimas”, explica Gusso.

O delegado orienta que quem tenha sido vítima do golpe procure a polícia e registre boletim de ocorrência: “Ficar atento, desconfiar. Ninguém conhece uma pessoa no mesmo dia e oferece gratificação, cem ou duzentos mil reais. Isso não existe, é golpe. Se se tornar vítima, procurar a polícia”.

A operação segue para cumprir os outros mandados. Os investigados devem responder por estelionato.