Mais dois pontos de Curitiba recebem câmeras de videomonitoramento

O projeto Muralha Digital da Prefeitura de Curitiba avança com a instalação de câmeras de videomonitoramento em mais dois pontos estratégicos. As praças Tiradentes, a mais antiga da cidade, e Redentor (do Gaúcho), que abriga a famosa pista de skate, já contam com equipamentos avançados de captação de imagens.

Neste mês em que a Guarda Municipal completa 35 anos de existência, esta é uma das principais entregas da gestão municipal à corporação, que nos últimos quatro anos e meio teve aumento do efetivo e investimentos em novas viaturas e equipamentos.

A Muralha Digital é resultado da parceria com a Superintendência de Tecnologia da Informação da Secretaria de Administração e de Gestão de Pessoal.

Pedro Ribas/SMCS

Com vídeo analítico e panorâmica externa, as câmeras das praças têm sistema de reconhecimento facial com a versatilidade de movimentação em várias direções, conhecido pelo termo PTZ e que une três funcionalidades: movimentação horizontal (pan), vertical (tilt) e capacidade de aproximar imagens com o movimento da lente (zoom).

A partir da possibilidade de reconhecimento facial, os equipamentos analisam e comparam características do rosto com até 30 detecções simultâneas – possível mesmo com o uso de máscaras de proteção.

“Também podem ser verificados objetos deixados e retirados de determinado local, com o alerta em tela aos operadores, prevenindo situações como uma tentativa de explosão”, exemplifica o secretário municipal de Defesa Social e Trânsito, Péricles de Matos. 

Biblioteca de faces

O sistema permite fazer a contagem de pessoas e mantém uma biblioteca de faces criptografada, podendo fazer busca de pessoa por foto. Desta forma, o trabalho da Guarda Municipal ganha eficiência e agilidade, com acionamento das equipes em patrulhamento nas ruas pelo Centro de Operações da GM, que é o coração da Muralha Digital e atende aos pedidos de emergência da população pelo telefone 153.

Pedro Ribas/SMCS

“É mais uma forma de ampliarmos a segurança de moradores, comerciantes e frequentadores desses locais tão simbólicos da cidade, com inibição de crimes como furto, roubo, tráfico e uso de drogas, pichação e possibilidade de se colher provas para eventuais investigações e processos judiciais”, acrescenta o secretário Péricles de Matos.

Acompanhamento de situações causadas por eventos adversos, como fortes chuvas e vendavais, pelas equipes da Defesa Civil, e de trânsito são outras vantagens do projeto.

“Na área da segurança, já foi possível atuar em situações de perturbação do sossego, uso indevido de bebida alcoólica em espaço público (proibido com os decretos vigentes para combate à covid-19) e dispersão de aglomerações a partir dessas imagens”, afirma o secretário Péricles.

Evolução da Muralha Digital

O projeto da Muralha Digital já instalou mais de 400 câmeras espalhados com locais como estabelecimentos municipais de ensino, que também contam com 185 botões do pânico, Rodoviária e Centro Cívico. Em andamento, está a integração das imagens de equipamentos de fiscalização eletrônica que, até o fim do ano, somarão 804 faixas de trânsito monitoradas.