Mulheres periféricas realizam curso de tranças de forma gratuita em Curitiba

Já pensou em poder realizar um curso de tranças de forma gratuita? É isso que o Instituto Incanto, por meio do CaçaJeito, o braço de qualificação profissional da organização, disponibiliza para mulheres da região de Curitiba. As primeiras turmas mal encerraram e novas alunas já iniciaram.

As aulas são ministradas pela professora Amanda Beatriz em turmas de até 30 pessoas. A cabeleireira atua na área há mais de 20 anos e trança cabelos desde os nove anos de idade, mas há quatro anos ministra cursos para quem quer se especializar na área. 

“Quando o Projeto CaçaJeito entrou em contato, pensei em adaptar meu curso particular para o voluntário pela questão do custo de materiais. A princípio, a ideia seria de 10 a 15 alunas, mas ultrapassaram as buscas e decidi encarar o desafio de duas turmas de 30 alunas”, conta Amanda. 

Os conteúdos aprendidos no curso vão desde saúde capilar, tranças aplicadas, atendimento ao cliente, precificação dos serviços, apresentação de fibras e adornos até fotografia para portfólios em redes sociais. O plano de ensino criado pela trancista inicia os dias de aulas com teoria e finaliza com a prática.

De início, o curso teria quatro aulas, mas finalizou tendo cinco, já que alguns alunos desistiram e outros entraram em seus lugares. “De acordo com o que o coletivo avançava, eu adaptava a próxima aula e todos os alunos concluíram com o conhecimento necessário para atuar profissionalmente”, explica a professora. 

Aprendizados para a vida profissional e social

Muitas das participantes do curso pretendem utilizar o que foi aprendido para abrirem seus negócios e iniciarem na carreira de trancista. Uma das alunas é a fiscal de caixa Bianca Martins. “Eu achei incrível a iniciativa. Pretendo continuar me profissionalizando e usar como uma fonte de renda mesmo”, comenta Bianca.

A manicure Tanicleiah Louro também realizou o curso e agora pode oferecer outra especialidade para suas clientes, além de ajudar na renda. “Já estou usando como profissão. No último fim de semana fiz minhas primeiras três clientes. Já sou manicure, mas poder oferecer essa novidade vai ajudar muito. Sou mãe de quatro filhos e fora do mercado de trabalho, sendo que sou mãe solo de três deles. Vi no curso uma oportunidade de expandir a renda”. 

Apesar da arte de trançar ser levada como uma fonte de renda, fazer uma trança em alguém e poder ajudar na autoestima é um ato de amor e carinho. “Entendemos que as aulas vão além de uma qualificação técnica. Cada encontro é uma oportunidade para que essas mulheres entendam o quão potentes elas são e onde podem chegar. Além de ser um espaço de troca de conhecimento, é também um espaço de acolhimento e apoio entre as próprias mulheres.”, como explica Camila Casagrande, fundadora e presidente do Instituto Incanto, que pretende ampliar o projeto para outras edições ainda este ano. 

Além  de a arte complementar a renda de Tanicleiah, a manicure pretende usar o que aprendeu para ajudar outras mulheres. “Também quero usar esse aprendizado para um projeto, que é trabalhar como voluntária para resgatar a autoestima de mulheres que foram vítimas de violência doméstica”, conta. 

A realização do curso trouxe bastante aprendizado, tanto para as alunas como para a professora, que já tinha tudo planejado em mente. “Ministrar esse curso foi um presente pra minha vida. Conviver com essas mulheres incríveis e motivadas me emocionou a cada aula. Era algo que já sonhava em fazer e não tinha recursos financeiros para realizar. Sem considerar possível, tinha alguém procurando exatamente o que eu tinha a oferecer”, finaliza a trancista. 

Como participar 

O curso é aberto para todas as pessoas que quiserem se aperfeiçoar na arte de trançar. Para mais informações, acesse a página no Facebook, Instagram ou ainda pelo telefone (41) 99861-8078.