Novas imagens mostram jovem que morreu após festa na Pedreira sendo empurrado por seguranças

* A reportagem foi atualizada às 14h20 do dia 29 de agosto para acréscimo do posicionamento da Polícia Civil e da organização do evento.

A investigação da morte do estudante Phelipe Lourenço tem mais novidades. Imagens obtidas pela família do rapaz, que morreu após uma festa na Pedreira Paulo Leminski na madrugada do dia 14 de agosto, mostram ele sendo contido e empurrado por seguranças após o fim do evento.

Leia mais sobre o caso:

No vídeo, Phelipe tenta voltar para o interior da Pedreira e é barrado por seguranças do evento. Ele tenta novamente, mas é cercado por um grupo de vários funcionários e é empurrado. Uma outra câmera mostra quando o jovem é expulso e os portões são fechados. Assista:

O momento que aparece no vídeo seria antes de Phelipe voltar para o local pulando um muro, que dá acesso para uma área restrita. Segundo a polícia, após ele voltar para o local ele teria caído de um penhasco em um lago da Ópera de Arame.

O laudo de necropsia apontou que o estudante morreu afogado. A família, porém, contesta essa versão, pois Phelipe sabia nadar e não tinha fraturas causadas por uma queda de grande altura.

Em entrevista ao programa Tribuna da Massa, da Rede Massa, a delegada Tathiana Guzella, responsável pelo caso, afirmou que as imagens divulgadas não dão indícios de possível homicídio. A polícia segue analisando as imagens e os depoimentos das testemunhas.

A organização do evento, responsável pela segurança, enviou uma nota sobre as imagens:

“A empresa informa que o procedimento de retirada do evento ocorreu dentro do protocolo definido, sem qualquer agressão, sendo necessária uma atuação mais enfática por conta do comportamento indevido do convidado, que não queria se retirar do local e apresentava sinais de embriaguez. Logo após fechamento dos portões, as equipes de segurança encerraram suas atividades no evento”.

Médico diz que Phelipe pode ter sido retirado do lago já sem vida

A reportagem do Primeiro Impacto PR, da Rede Massa, obteve acesso ao depoimento do médico que foi chamado para atender Phelipe quando ele foi encontrado no lago. Ele diz que a ambulância do evento já tinha ido embora, mas ele foi chamado para voltar.

Quando encontrou o jovem, o médico afirma que ele estava sendo atendido por bombeiros, que faziam massagem cardíaca. Mas, quando o médico atendeu Phelipe, ele já estava sem pulso. Eles fizeram uma nova massagem e, sem resposta, já o levaram para a ambulância. Phelipe estaria arroxeado e com as pupilas dilatadas.

Um dos funcionários que encontrou Phelipe chegou a colocar nele um relógio, que apontava a frequência cardíaca. O médico, porém, diz que os números mostrados no aparelho devem ter sido causados pelo movimento da massagem cardíaca.

Foto: Polícia Civil

A Polícia Civil segue investigando o caso.