Pix ganha adesão acima do esperado e já responde a 23% dos pagamentos do IPTU

Do total de pagamentos do Imposto Predial e Territorial Urbano e Taxa de Coleta de Lixo (IPTU-TCL) 2022 em Curitiba, cerca de 23% já são realizadas por Pix (pagamento eletrônico instantâneo).

Desde que a funcionalidade passou a ser ofertada, em 14 de fevereiro, foram 18.688 operações, com R$ 3,9 milhões movimentados. Ao todo, o pagamento do IPTU nas diversas modalidades envolveu, até agora, 63.177 operações e R$ 61,3 milhões.

Além do Pix, o pagamento pode ser feito nos bancos conveniados, nos caixas eletrônicos ou pelo internet banking, débito ou crédito (sujeito a taxas das operadoras de cartão), ou ainda colocá-lo em débito automático.

“O Pix teve adesão do contribuinte acima do esperado. É uma nova alternativa de pagamento mais rápida e prática”, afirma Maria Cristina Baggio, diretora financeira da Secretaria de Planejamento, Finanças e Orçamento.

A ideia é que o pagamento por Pix seja estendido a outros tributos municipais no futuro, como o ITBI (Imposto de Transmissão de Bens Imóveis).

Praticidade

Para o contribuinte, o Pix é o modo mais rápido de pagamento à disposição. Se a pessoa precisar de certidões, por exemplo, quando é necessária a confirmação do pagamento de tributos, o Pix é a melhor alternativa.

Para utilizar o Pix, o cidadão deve acessar o serviço no site da Prefeitura de Curitiba. Depois de clicar em serviço on-line, basta informar a inscrição imobiliária e o sublote ou a indicação fiscal do imóvel.

DAM, cartão magnético ou Pix

O sistema abrirá uma tela que permitirá que o cidadão escolha entre três opções: gerar o documento de arrecadação municipal (DAM), pagar com cartão magnético, crédito ou débito, ou pagar por Pix.

Ao fazer a opção pelo Pix, o contribuinte deve acessar seu banco pelo celular e apontar a câmera para o código QR (ou QR code), gerado na tela do computador. Este é o código lido pelas câmeras dos telefones celulares.

O leitor de QR code utilizado deve ser o leitor disponível no aplicativo do banco do contribuinte. O pagamento deverá ser feito em seguida, pois o código expira conforme a data apresentada logo abaixo do QR code.

Outras cidades

O novo serviço é resultado da parceria entre as secretarias de Administração, Gestão de Pessoal e Tecnologia da Informação (Smap) e de Planejmento, Finanças e Orçamento. O desenvolvimento coube ao Instituto das Cidades Inteligentes, sob a supervisão da Superintendência de Tecnologia da Informação.

Sistemas de pagamento semelhantes, com o uso do Pix, vêm sendo adotados por outras capitais, como Boa Vista (Roraima) e Palmas (Tocantins). Há cidades que estão se preparando para introduzir o novo meio eletrônico de pagamento, tais como Florianópolis (Santa Catarina), Cuiabá (Mato Grosso), João Pessoa (Paraíba), Rio Branco (Acre) e Aracaju (Sergipe). 

Informações SMCS