Questionário PAR-Q passa a ser aceito para ingresso em academias de Curitiba

As academias de Curitiba agora têm uma alternativa ao atestado médico para aceitar os alunos que desejam se matricular para iniciar a prática de exercício físico. O questionário PAR-Q acaba de ser aprovado pela Câmara Municipal de Curitiba (CMC) como um documento válido para este fim.

O projeto de lei foi elaborado pelo vereador Marcelo Fachinello (PSC) com o objetivo de desburocratizar esse processo e incentivar a prática do exercício. O PL já havia recebido apoio da Sociedade Paranaense de Cardiologia e, na última semana, também foi endossado pelo Conselho Regional de Educação Física (CREF-PR) em audiência pública promovida na Casa.

Curitiba só tem a ganhar com a inclusão do PAR-Q como opção para o ingresso em academias de ginástica da capital. Com a atualização da legislação de Curitiba simplificamos esse processo, como já foi feito em cidades como São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília, entre outras. Nosso objetivo é dar subsídios para que a prática de atividade física seja cada vez maior entre os curitibanos”, diz Fachinello.

Com o projeto, será alterado o artigo 1º da lei municipal 13.559/2010, que coloca como exigência, no ato da matrícula, a apresentação do atestado médico. Agora, com a nova redação, o PAR-Q entra como opção para pessoas com idade entre 18 e 60 anos e não gestantes.

Sigla em inglês para Physical Activity Readiness Questionnaire, o questionário PAR-Q foi desenvolvido pela Sociedade Canadense de Fisiologia do Exercício e consiste em uma série de sete perguntas que avaliam o histórico médico do interessado em praticar atividades físicas na academia. Questões como se sente dores no peito, perda de consciência ou tontura, ou problema articular que pode ser agravado com exercícios, por exemplo, devem ser respondidas no documento. Somente se todas as respostas forem negativas é que o candidato será considerado apto, valendo esse documento, assinado por um profissional de Saúde qualificado, como substituto para o atestado médico de aptidão física.

Para Gustavo Brandão, presidente do CREF-PR, a iniciativa de incluir o PAR-Q nas academias trará inúmeros benefícios para o praticante. “Os profissionais de Educação Física são aptos a realizar esse questionário com total segurança. Além disso, sendo identificado qualquer indício que possa prejudicar esse aluno, faremos questão de encaminhá-lo ao médico para uma avaliação”, pontua.

Fachinello ressalta que o projeto não exclui o atestado médico, apenas dá outra alternativa. Inclusive para idosos e gestantes ele continuará sendo exigido. “Com essa iniciativa queremos, acima de tudo, promover a saúde. Muitas vezes o cidadão deseja praticar atividade física, mas não tem plano de saúde para consultar um médico e talvez pelo SUS demore tempo suficiente para desistir de praticar a atividade. Com o PAR-Q vamos agilizar isso e encaminhar para os médicos apenas os casos em que há necessidade. E isso é um ponto indiscutível”, finaliza.

O projeto de lei agora segue para sanção do prefeito Rafael Greca.