Ursa Kiopaa, do Zoo de Curitiba, recebe tratamento odontológico

Falar em ir ao dentista assusta muita gente, mas não a ursa Kiopaa, moradora do Zoológico de Curitiba desde agosto do ano passado. A última sexta-feira (2) foi o dia de tratamento dentário para ela, mas todo o procedimento, da remoção da ursa de 179 quilos à cirurgia, foi feito com tranquilidade, enquanto ela dormia, literalmente, como um urso.

Kiopaa foi levada ao Hospital Veterinário da Universidade Federal do Paraná (HV-UFPR), no bairro Cabral. Desde a sedação até o retorno ao recinto, todo o processo foi acompanhado pelas equipes do Zoológico e da Universidade. A necessidade do tratamento foi percebida na rotina diária e por exames preventivos feitos pela equipe da UFPR.

Para a chefe do Zoo, Ana Sílvia Passerino, é um cuidado que faz toda a diferença. “Descobrimos o problema dela na rotina diária de cuidados e essa parceria com a universidade garante que a Kioppa – e outros dos nossos animais – tenham um diagnóstico completo, um tratamento especializado e uma melhor qualidade de vida”, destaca.

O professor de Medicina Zoológica e Odontologia Veterinária, Rogério Lange, reforça que com esse tratamento a ursa, que já é idosa, terá mais alguns anos sem alteração na rotina.

“Nosso objetivo é frear a contaminação que ocorreu com a necrose dos tecidos em razão da fratura que identificamos no canino para que ela viva sem dor e da melhor maneira possível”, explica Lange.

Parceria 

Esse cuidado faz parte de um termo de cooperação assinado entre a instituição que fica no Alto Boqueirão e o HV-UFPR, que visa garantir e ampliar os cuidados veterinários preventivos e as medidas de bem-estar animal, além de fomentar o ensino e treinamento em ciências veterinárias. 

Além da odontologia veterinária, o hospital oferece patologia clínica veterinária; diagnóstico por imagem; anestesiologia veterinária; clínica e cirurgia de grandes animais, pequenos animais e animais selvagens; oncologia veterinária; oftalmologia veterinária; ornitopatologia; e medicina veterinária do coletivo.

Antes do tratamento de Kioppa, duas onças também passaram pelo local, relata a chefe do Zoo. Uma delas, para avaliar um problema de pele e outra para uma avaliação geral.

Informações da Prefeitura de Curitiba