Feira virtual voltada à produção e comercialização do café movimenta o Norte do Paraná

A 14ª edição da Ficafé (Feira Internacional de Cafés Especiais do Norte do Paraná), evento totalmente virtual voltado à produção e comercialização do produto – além de outros temas, como o desenvolvimento da fruticultura – é vitrine para os cafés especiais da região para o Brasil e o Exterior.

A feira, que acontece até sexta-feira (29), conta com rodadas de negócios, exposição de máquinas, equipamentos e insumos para a cafeicultura, workshops, palestras, concurso e leilão de cafés especiais.

A Ficafé reúne, neste ano, 70 empresas do setor, além de representantes de 27 municípios do Norte Pioneiro e de diversos estados brasileiros. Também foi confirmada a presença de mais de 30 compradores internacionais que devem movimentar 2 mil sacas de café.

Além da cafeicultura, o evento vai apresentar diversos temas ligados à fruticultura, já que a atividade busca qualificar a produção regional, assim como aconteceu com o café. É possível acompanhar todas as atividades pela internet, no site do evento (www.ficafe.com.br), ou pelo aplicativo da feira, que pode ser baixado no celular.

Durante a abertura, na segunda-feira (25), o secretário estadual da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara, lembrou que as condições climáticas restringiram a produção de café no Estado e que os produtores devem buscar qualidade, com a produção de cafés gourmets, que geram mais renda.

É com esse objetivo que o Governo do Estado vem estabelecendo uma parceria com municípios, cooperativas e o Sebrae. “É um esforço de valorização do café, fortalecendo a visão da cafeicultura como negócio, fonte de emprego e renda para o Norte Pioneiro”, destacou o secretário.

O diretor-presidente do IDR-Paraná, Natalino Avance de Souza, observou que a cafeicultura foi a atividade que impulsionou a agricultura no Estado. Segundo ele, hoje o Norte Pioneiro é o principal reduto do café no território paranaense, e a região Norte mostra que é possível criar um ambiente favorável ao desenvolvimento da atividade agrícola, reunindo esforços de diversas instituições, como tem acontecido com a cafeicultura.

“A Ficafé não é mais só café. A fruticultura também está presente na feira e vai dinamizar o desenvolvimento do Norte Pioneiro, fortalecendo as economias locais”, observou.

O chefe da Casa Civil do Paraná, Guto Silva, disse que a atividade possui um papel muito importante na história do Paraná e teve que se reinventar nas últimas décadas. “O Estado chegou a ser o maior produtor do Brasil, com mais de 20 milhões de sacas colhidas, até a grande geada de 1975, que fez com que as áreas de plantio fossem reduzidas, ficando concentradas no Norte Pioneiro e o café de qualidade fosse priorizado”, disse.

Para ele, a produção de café de qualidade está recuperando a importância do Paraná na cafeicultura. Silva lembrou que a região conseguiu um dos primeiros cafés com Identidade Geográfica, conquista obtida com um esforço coletivo de produtores, cooperativas e da Seab.

O chefe da Casa Civil também destacou que o Norte Pioneiro precisa de infraestrutura para se desenvolver e se conectar a grandes mercados e, para tanto, o governador Ratinho Junior priorizou a rodovia PR-092, que já começa a receber investimentos e entrará no novo modelo de concessão.

Paulo José Frasquetti, presidente da Cooperativa de Cafés Especiais do Norte Pioneiro do Paraná (Cocenpp), destacou que a cafeicultura vem melhorando a vida dos agricultores no Paraná, graças a mudanças implantadas na forma de conduzir as lavouras. Ele acrescentou que nos últimos anos os produtores do Norte Pioneiro conseguiram mudar a imagem do Estado no mercado de café.

“Até pouco tempo atrás o Paraná era conhecido como produtor de cafés ruins e hoje desponta no mercado de cafés de qualidade”, disse.

O diretor do Sebrae, Carlos Melles, ressaltou que a Ficafé tem a intenção de aprimorar os cafeicultores. “Isso por meio das palestras técnicas e workshops, melhorando a qualidade do café produzido na região”, afirmou.

A Ficafé inclui palestras de temas diversos como as inovações tecnológicas na produção do maracujazeiro; energias renováveis, energia solar; turismo e cafés especiais; modulação de sabores durante a torra; planejamento anual e gestão da propriedade cafeeira; casos de sucesso em produção orgânica e poda do café.

Nesta quinta-feira (28), às 9h, será apresentado o podcast “Mercado de Cafés Especiais”. Na sexta, às 16h, serão divulgados os resultados do Leilão de Cafés Especiais e haverá a premiação dos ganhadores do 9º Concurso Sabores do Norte Pioneiro.

Informações da AEN