Acusado de matar guarda em festa deve deixar hospital nas próximas horas

Acusado de matar o guarda municipal Marcelo Arruda em julho, o policial penal Jorge Guaranho deve receber alta médica ainda nesta quarta-feira (10). Ele estava internado desde o dia 9 do mês passado, quando trocou tiros com Arruda dentro de um clube de Foz do Iguaçu, no Oeste do Paraná, durante a festa de aniversário da vítima.

A expectativa é que ele seja transferido entre a noite de quarta e madrugada de quinta-feira (11) para uma unidade prisional, provavelmente o Complexo Médico Penal de Pinhais, na região metropolitana de Curitiba. Guaranho teve a prisão decretada pela Justiça e estava internado sob escolta policial.

A Justiça já negou ao menos dois pedidos de prisão domiciliar ao acusado e ele deverá aguardar o julgamento do caso em regime fechado. Ele responde por homicídio duplamente qualificado – por motivo fútil e por colocar outras pessoas em risco.

Relembre o caso

Na noite de 9 de julho, Arruda comemorava seu aniversário de 50 anos na sede da Aresfi, em Foz do Iguaçu. A festa tinha o tema do partido do qual ele era tesoureiro, o que foi apontado pelo Ministério Público do Paraná (MPPR) como motivação para o crime.

Guaranho teria ficado sabendo do evento e foi até a sede do clube. Ele discutiu brevemente com o aniversariante, deixou o local e voltou pouco tempo depois armado. Imagens de câmeras de segurança mostram quando ele invade a festa e atira várias vezes na direção de Arruda. Por ser guarda municipal, ele também estava armado e revidou, provocando um tiroteio na sede do clube.

Arruda não resistiu aos ferimentos e morreu na hora. Guaranho foi baleado e, depois de caído no chão, levou chutes na cabeça por frequentadores da festa que ficaram inconformados com a situação.

Relembre o caso: