Justiça condena vereadores de Londrina por corrupção na aprovação de loteamentos irregulares

A 2ª Vara Criminal de Londrina, no Norte do Paraná, condenou 14 pessoas denunciadas pelo Ministério Público (MPPR) pelos crimes de organização criminosa, corrupção passiva e corrupção ativa.

Os delitos foram apurados a partir da Operação ZR3, investigação conduzida pelo MPPR a partir do Núcleo de Londrina do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco). A operação investiga a atuação de particulares e agentes públicos – vereadores e servidores dos poderes Executivo e Legislativo municipais – em esquema de corrupção voltado à aprovação de loteamentos irregulares no município. As penas fixadas variam de 2 a 14 anos de reclusão, além do pagamento de multa.

De acordo com as apurações do caso, pelo menos dois vereadores teriam aceitado propina para apresentar e aprovar projetos de lei de alteração de zoneamento e de autorização para grandes loteamentos em Londrina. Os valores negociados variaram de R$ 100 mil a R$ 1 milhão.

O Gaeco também verificou que os agentes políticos agiam em conjunto com integrantes do Conselho Municipal da Cidade, órgão que emite pareceres previamente à votação de projetos de lei. Os fatos teriam ocorrido entre os anos de 2013 e 2017. Com a prática dos ilícitos, proprietários de loteamentos e empresários do ramo imobiliário conseguiam valorizar determinados terrenos e assim construir imóveis com maior apelo comercial.

Informações do MPPR