“Extrema gravidade”, define Defensoria sobre desfile de crianças negras como escravas

A Defensoria Pública do Estado do Paraná (DPE-PR) abriu um procedimento para apurar as circunstâncias do desfile cívico realizado em Piraí do Sul, na região dos Campos Gerais, no último domingo (18). O Núcleo da Cidadania e Direitos Humanos (NUCIDH) e o Núcleo da Infância e Juventude (NUDIJ) abriram um procedimento preparatório para, caso necessário, ajuizar uma ação civil pública contra os órgãos responsáveis pelo ato. Os núcleos vão cobrar explicações do município sobre o episódio.

Os coordenadores do NUCIDH e do NUDIJ, defensores públicos Antonio Vitor Barbosa de Almeida e Fernando Redede Rodrigues, classificaram o ato de colocar crianças negras no desfile para representarem pessoas escravizadas como de extrema gravidade.

“É com preocupação e espanto que o NUCIDH vê a utilização das crianças negras acorrentadas para remeter a fatos históricos escravagistas em pleno desfile cívico sobre a independência do Brasil. Num desfile cívico que celebra a independência do Brasil, deveriam ser exaltadas a cidadania e igualdade, e não o reforço a estereótipos”, afirma Almeida.

Para Redede, a exposição das crianças no ato é inadmissível. “O estigma que isso pode causar na vida das crianças, na personalidade delas, na história delas é muito grave. Estamos em um mundo de superexposição e isso pode causar futuro sofrimento e dano a essas crianças. É um ato de extrema irresponsabilidade”, afirmou.

Crianças negras desfilam vestidas como escravas

O Ministério Público do Paraná (MPPR) vai investigar um desfile oficial realizado pela Prefeitura de Piraí do Sul, na região dos Campos Gerais, onde crianças negras foram fantasiadas de escravas. Elas são alunas de uma escola municipal e as imagens foram divulgadas nas redes sociais seguidas por uma onda de indignação por todo o Estado.

Durante o evento, as crianças negras foram caracterizadas como escravas usavam correntes nos pulsos e pescoços, como se fossem arrastadas pela caravela onde estavam os alunos brancos, retratados como colonizadores portugueses. O desfile celebrava os 200 anos da Independência do Brasil.

Sobre a Defensoria Pública do Paraná

A DPE-PR é a instituição responsável pela defesa e promoção dos direitos humanos e da democracia no estado, com orientação jurídica e defesa, em todos os graus, judicial e extrajudicial, dos direitos individuais e coletivos. Os núcleos também são mecanismos específicos de atuação coletiva da Defensoria voltados ao enfrentamento de questões que representem ameaça à violação de direitos individuais e coletivos.