Corpo de desaparecido pode estar em manilha de esgoto, diz polícia

Uma força-tarefa foi montada no início da tarde desta sexta-feira (30) na cidade de Piraquara, região metropolitana de Curitiba, para tentar encontrar o corpo de Claiton Siqueira, de 24 anos. O rapaz está desaparecido desde o dia 30 de maio e a polícia acredita que ele tenha sido assassinado. Um homem foi preso por suspeita de envolvimento no crime.

Depois de quase cinco meses de investigações, uma testemunha revelou à polícia que viu algumas pessoas jogando o corpo da vítima de cabeça para baixo em uma das manilhas de esgoto que ficam no terreno do Hospital São Roque. Os investigadores fizeram buscas nas cinco estruturas da região, inclusive com ajuda de drones, mas a água e o lodo dentro dos locais impediu que as buscas tivessem sucesso.

Um par de tênis foi encontrado ao lado de uma das estruturas onde o corpo pode ter sido desovado. Familiares foram chamados até a delegacia e teriam reconhecido o calçado como sendo de Claiton. Pelo estado do objeto, com muita sujeira e limo, tudo indica que o par de tênis já estava no local há muito tempo.

Até a publicação desta matéria, o corpo não tinha sido encontrado e a polícia vai atrás da Sanepar para entender se as manilhas instaladas naquela região têm alguma ligação com rios ou rede de esgoto, o que poderia ter levado o corpo da vítima para outro local.

Rapaz desaparecido pode ter sido executado

Ainda conforme apurou a polícia, o jovem teria sido morto por causa de uma dívida com traficantes de Piraquara. Ele era usuário de drogas e teria sido morto a mando do chefe do tráfico na cidade. Conhecido como Cabeça, o bandido é vingativo e age com requintes de crueldade, segundo a polícia.

A Polícia Civil pede o auxílio da população com denúncias anônimas que ajudem as autoridades a encontrarem o corpo do crime e também a localizar os autores dos crimes. As denúncias podem ser feitas pelos telefones 181, 190, 197 ou diretamente na delegacia de Piraquara pelo telefone (41) 3590-1200.

Colaboração Melissa Munhoz/Rede Massa.