Polícia Federal apura esquema de fraudes em saques do auxílio emergencial

A Polícia Federal deflagrou nesta quarta-feira (20), no Pará, a segunda fase da Operação Thesaurus, que tem como alvo um dos maiores esquemas de fraudes envolvendo desvios de dinheiro do auxílio emergencial.  As apurações apontam para um rombo de pelo menos R$ 19,1 milhões, o equivalente a 30 mil cotas do auxílio emergencial do governo federal.

“O nome da operação, tesouro em latim, faz alusão à expressiva quantia apropriada, suficiente para pagamento de mais de 30 mil cotas de auxílio emergencial, perfazendo assim a maior fraude envolvendo o benefício já registrada no país”, informou a PF, em nota.

São cumpridos 17 mandados de busca e apreensão e três prisões, na região metropolitana de Belém (PA) e em Natal (RN). Foram bloqueados ainda R$ 16 milhões em bens e valores dos investigados, além do sequestro de 23 imóveis. As ordens foram expedidas pela justiça federal no Pará.

As investigações começaram em 2021, depois que a Caixa Econômica Federal informou a Polícia Federal que uma agência lotérica de Ananindeua (PA) solicitou R$ 19 milhões, entre abril e julho de 2020, para pagamento de auxílio emergencial, sem prestar contas do valor recebido.

Na primeira fase da Operação Thesaurus, deflagrada em setembro do ano passado, a dona da lotérica foi presa. A apuração mostrou a estrutura financeira montada para lavagem do dinheiro do auxílio desviado. O esquema envolvia agiotagem, abertura de empresas, compra de veículos e imóveis de alto padrão, geralmente em nome de laranjas e testas de ferro, como parentes da investigada. A lavagem era feita em Belém (PA), Natal (RN) e São Paulo (SP). 

Segundo a Polícia Federal, foram recuperados até aqui R$ 12 milhões, em apreensões, devolução de valores e bens sequestrados. Os alvos da operação responderão na Justiça por crimes de peculato, associação criminosa e lavagem de dinheiro.

Informações de SBT News