Polícia prende mãe e padrasto de jovem autista encontrado morto no Paraná

A Polícia Civil de Ponta Grossa prendeu nesta sexta-feira (18) a mãe e o padrasto de um rapaz autista de 19 anos que foi encontrado morto dentro de casa na manhã anterior (17). Eles foram autuados por maus tratos com resultado em morte, que tem pena prevista de até 12 anos de prisão, mas poderão responder por homicídio e omissão de socorro, conforme o andamento da investigação.

A equipe policial confirmou que o jovem era mantido em condições degradantes na residência do casal e vivia num quarto improvisado no banheiro desativado do imóvel. O cômodo estava com o teto mofado, tinha infiltrações, estava sem luz e completamente sujo. As denúncias apontaram ainda que, todas as vezes que o jovem tinha uma crise nervosa, era amordaçado pelo casal.

Foto: Divulgação/Polícia Civil

De acordo com o delegado Luís Gustavo Timossi, que está à frente do caso, “embora haja forte suspeita de que o jovem Rômulo Luiz Fernandes Borges tenha sido assassinado por seu padrasto, há necessidade de maior aprofundamento das investigações para completo esclarecimento dos fatos, motivo pelo qual os investigados poderão ser ainda indiciados por homicídio”.

O delegado esclareceu que desde a notícia da morte, a Polícia Civil levantou informações que resultaram na forte suspeita de que a vítima vinha sendo agredida constantemente pelo menos desde 2018, quando deixou de frequentar um centro especializado de autistas. A mãe do rapaz tirou ele do centro especializado depois de ser confrontada por profissionais do local que perceberam lesões no corpo do jovem. A investigação também apura se houve a prática de tortura.

Foto: Divulgação/Polícia Civil

Timossi esclarece ainda que, embora a mãe do jovem não estivesse na casa quando o filho morreu, ela deve ser responsabilizada por ter se omitido em proteger o rapaz – caso seja comprovado que o rapaz era espancado e torturado dentro de casa.