Caso Daniel: Cristiana Brittes deve ter julgamento marcado nos próximos dias

Depois de quase quatro anos da morte do jogador Daniel, Cristiana Brittes, esposa de Edison Brittes, terá o julgamento marcado nos próximos dias.

O julgamento de Cristiana ocorrerá no Fórum Criminal de São José dos Pinhais. Dos sete envolvidos na morte do jogador, ela será a primeira a ser julgada.

Cristiana foi presa em novembro de 2018 e saiu da prisão em setembro de 2019, com uso de tornozeleira eletrônica. Alguns meses depois retirou o equipamento de vigilância por ordem judicial.

Atualmente, apenas Edison Brittes segue preso. Ele assumiu a autoria do crime, afirmando que agrediu e matou Daniel em 27 de outubro de 2018.

Cristiana é mãe de Alana e esposa de Edison.

Caso Daniel

O jogador Daniel, que atuou Coritiba, São Paulo FC e estava no Clube São Bento, no interior paulista, foi morto na Região Metropolitana de Curitiba (RMC) depois de uma festa na casa de Edison Brittes. O corpo da vítima foi encontrado na área rural. Ele teve a cabeça cortada e o órgão sexual mutilado em outubro de 2018, na Colônia Mergulhão.

Segundo o empresário Edison Brittes relatou à época, Daniel teria tentado estuprar a esposa (Cristiana) durante festa na residência – onde se comemorava o aniversário da filha, Allana – e esse fato teria desencadeado o crime.

Réus

Edison Luiz Brittes Júnior: homicídio triplamente qualificado por motivo torpe, tortura (por não ter dado chance de defesa à vítima) e meio cruel; ocultação de cadáver, fraude processual, corrupção de menores e coação durante o curso do processo;

David Willian Vollero: homicídio triplamente qualificado por motivo torpe, tortura e meio cruel; ocultação de cadáver, fraude processual;

Eduardo Henrique Ribeiro da Silva: homicídio triplamente qualificado por motivo torpe, tortura e meio cruel; ocultação de cadáver; fraude processual e corrupção de menores;

Ygor King: homicídio triplamente qualificado por motivo torpe, tortura e meio cruel; ocultação de cadáver e fraude processual;

Cristiana Brittes: homicídio qualificado, fraude processual, corrupção de menores e coação durante o curso do processo;

Allana Brittes: fraude processual, corrupção de menores e coação durante o curso do processo;

Evellyn Perusso: fraude processual

Leia mais sobre o caso