Família abandona gato em clínica veterinária e polícia é acionada

Uma família do bairro Cidade Jardim, em São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, abandonou um gatinho de estimação em uma clínica médica veterinária localizada na região central da cidade.

A situação veio à tona após uma ligação feita no Setor de Defesa Animal, da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semma). Prontamente, uma equipe da Prefeitura e Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente (DPMA) estiveram na residência do tutor, na última quarta-feira (23), para averiguar o caso, mas ele não foi localizado.

Às autoridades, os tutores do animal alegaram não ter recursos financeiros para pagar os procedimentos realizados na clínica. O animal recebeu alta médica depois de fazer uma cirurgia, ele estava com a uretra obstruída (Uremia).

O delegado Matheus Laiola acompanhou a situação. Da residência do tutor, as equipes seguiram até a clínica onde o felino está internado. Feita a intimação, a delegacia vai informar os dados do proprietário à Secretaria de Meio Ambiente para que seja aberto um processo administrativo. Autuado, ele poderá responder processo civil e criminal.

Costelinha – como é chamado – foi resgatado e passa bem depois de um procedimento cirúrgico e dias de internamento na clínica.

“Abandonar ou maltratar animais domésticos ou domesticados é crime ambiental, e o Setor de Defesa e Controle Animal da Semma, atua efetivamente nas denúncias que são realizadas”, comentou Ana Paula Jacon (médica veterinária) servidora do município.

O tutor foi notificado pela Prefeitura e intimado pela Polícia Civil onde deve prestar esclarecimentos nos próximos dias. Recuperado, Costelinha recebeu alta mas permanece na clínica até ser encaminhado ao Programa de Adoção @adotasjp.

Denúncias de maus-tratos e abusos contra animais são feitas no Sistema Eletrônico do Serviço de Informações ao Cidadão (e-SIC/Fale Conosco) da Prefeitura disponível aqui http://www.sjp.pr.gov.br/sic . O ‘Disque Denúncia 181’ é outro serviço disponibilizado que atende todo o Estado do Paraná de forma anonima.

De acordo com a Semma, até o desenrolar do processo criminal, quando o animal pode, definitivamente, ser adotado, o interessado é (inicialmente) considerado como Fiel Depositário. A partir do momento em esteja concretizada, então é assinado o Termo de Compromisso de Adoção.

Os custos da cirurgia e internamento do Costelinha – medicamentos, alimentação (além do carinho) – não serão cobrados, mas o responsável pelo animal deve responder administrativamente no município.