Metalúrgicos da Renault de São José dos Pinhais entram em greve por tempo indeterminado

Os metalúrgicos da Renault, localizada em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, decidiram, em assembleia liderada pelo Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba (SMC) na manhã desta sexta-feira (6), iniciar uma greve por tempo indeterminado.

Nesta sexta venceu o prazo de 72 horas, que os trabalhadores haviam dado para a empresa na terça-feira (3).    
 
Segundo o sindicato, a paralisação na linha de produção é uma resposta principalmente à Participação nos Lucros e Resultados (PLR-2022/23), afetada pelos ajustes da montadora nas bases do acordo de flexibilidade e competitividade firmado em 2020.

De acordo com o SMC, além do número de trabalhadores que reduziu de cerca de 7 mil, em 2020, para 5 mil neste ano, a velocidade da linha de produção baixou de 60 p/hora (2020-2 turnos) para 52 p/hora – 27p/hora (2022-1 turno e meio).

Esses ajustes influenciam no atingimento das metas da PLR.

Manutenção dos empregos

A greve também é motivada devido aos cerca de 2 mil trabalhadores que se desligaram da empresa pelo Plano de Demissão Voluntária (PDV) após o acordo fechado em 2020. 

O objetivo do acordo era de manter os empregos e aumentar a competitividade da montadora.

“A empresa atingiu os seus objetivos, mas por outro lado não manteve emprego, reduziu direitos, salários e Participação nos Lucros e Resultados (PLR)”, frisou o presidente do SMC, Sérgio Butka.   

O sindicato informou que continua aberto ao diálogo com o objetivo de equilibrar os valores e garantir um acordo justo aos trabalhadores do chão de fábrica.   

Uma nova assembleia está prevista para segunda-feira (9).

Em nota, a “Renault do Brasil informa que o Acordo Coletivo de Trabalho, aprovado em assembleia promovida pelo Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba, em 11 de agosto de 2020, tem duração de quatro anos, com vigência de setembro de 2020 a agosto de 2024″.

Ainda conforme o comunicado, a “Renault tem cumprido com o acordo coletivo, em sua totalidade, e está aberta ao diálogo. No dia 3 de maio a empresa propôs um calendário de reuniões com o Sindicato, com início previsto em 9 de maio”.

Com informações do SMC