Moradores de São José dos Pinhais ressaltam benefício da integração do transporte com Curitiba

Os moradores de São José dos Pinhais ressaltam os benefícios garantidos pela ampliação da integração dos transportes com Curitiba. A despesa diária será menor. “Agora vai ajudar bastante no bolso, porque tem mais opções para não pagar a passagem extra”, resume bem Silvana Feiber sobre nova realidade que começou nesta segunda-feira (30), para todos se deslocam diariamente pelas linhas urbanas e metropolitanas entre São José dos Pinhais e a capital.

O terminal central do município foi incorporado à Rede Integrada de Transporte, permitindo mais agilidade e economia ao usuário, que agora paga uma única tarifa. Se considerada a ida e a volta, são duas tarifas a menos no dia. A iniciativa beneficia cerca de 2,5 mil pessoas que se deslocam diariamente pelas linhas urbanas e metropolitanas.

“É uma mudança muito significativa para quem mora em São José dos Pinhais e trabalha em Curitiba, e vice-versa. Acabamos com um problema antigo de uma cidade tão importante para o Paraná, diminuindo consideravelmente o custo para a população”, disse o governador Carlos Massa Ratinho Junior.

A proposta foi viabilizada por meio de um novo planejamento de linhas implementado pela Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba (Comec), responsável pelo gerenciamento do sistema na RMC, em parceria com a prefeitura do município. Não haverá subsídio à tarifa por parte do Governo do Estado.

Antes, apesar de algumas linhas metropolitanas realizarem parada no terminal central de São José dos Pinhais, somente a E06 – T. Central/Guadalupe permitia a integração sem pagamento adicional de tarifa. Essa é a linha utilizada diariamente por Silvana Feiber, citada no início. Como o destino é o Terminal do Guadalupe, na região central de Curitiba, é possível a conexão com a rede.

“Mas quem ia para o Boqueirão, por exemplo, não conectava. Agora isso é possível, o que vai ajudar bastante no fim do mês, ainda mais neste momento em que tudo aumentou de preço”, conclui Silvana, que já conhece bem a diferença que faz pagar uma única passagem para a integração entre os dois municípios.

Mais em Conta

Diariamente eram R$ 19,15 para ida e volta; uma despesa que agora cairá quase pela metade, para R$ 10,25. “Nessa época de crise é muito bom. Sai muito mais em conta andar de ônibus, porque a gasolina está muito cara. Agora facilitou mais ainda”, cita Sandra Garbin, que não usa o transporte todo dia, mas destaca que, após essa mudança, o ônibus se tornou uma opção melhor que o carro.

Com a integração, os usuários das linhas urbanas poderão acessar a área metropolitana do terminal mediante a validação do Cartão VEM. Isso possibilita o embarque nas linhas da Comec sem pagamento adicional de tarifa, pela porta traseira do veículo, como ocorre em outros terminais pela Região Metropolitana. Esse embarque não terá cobrança de nova tarifa, diminuindo o custo para o usuário.

No retorno, da mesma forma, o usuário que desembarca dos ônibus da Comec deverá validar o Cartão VEM para a conexão com as linhas urbanas, sem pagamento de nova tarifa. “Economiza e ajuda no orçamento da família. E quando sobra, um pouco a gente guarda e outro a gente ajuda em casa”, acrescenta outro usuário do terminal central de São José dos Pinhais, Maurício Ribeiro, que precisa ir direto para Curitiba.

Trabalhadores

O presidente da Comec, Gilson Santos, enfatiza que a integração metropolitana com o transporte coletivo atende, principalmente, o trabalhador. “Com o esforço do Governo do Estado e a readequação das linhas aqui em São José dos Pinhais, em parceria com a prefeitura, foi possível promover a integração completa do terminal central aqui do município”, explica.

Ao final do mês, são quase R$ 200,00 de economia para os trabalhadores. A mudança, porém, gera uma série de outros benefícios. “O empregador tem um incentivo a mais, porque o custo com vale-transporte também fica menor. O trânsito ganha, pois muitos que usam o carro ou moto, ao analisar o custo-benefício, passam a entender que o transporte coletivo é uma boa alternativa. Quando o cidadão deixa de utilizar o automóvel nesse trajeto, a gente ganha na questão viária”, acrescentou Santos.

As informações são da AEN.