Paranaguá bate recorde com embarque de 108,6 mil t de farelo de soja em um só navio

SÃO PAULO (Reuters) – O Porto de Paranaguá, no Paraná, iniciou no último final de semana o maior embarque de farelo de soja em um único navio de sua história, em operação que envolve 108.577 toneladas do produto, informou nesta segunda-feira a empresa que gere o terminal.

Segundo a estatal Portos do Paraná, o carregamento está sendo realizado no navio graneleiro com bandeira panamenha Pacific Myra, de 292 metros de comprimento e 45 metros de largura, que levará o farelo para a Holanda.

O novo carregamento acompanha um aumento nas atracações de navios gigantes –com mais de 290 metros de comprimento– para embarques de farelo de soja em Paranguá, que tem sido verificado desde meados do ano passado.

Em junho de 2020, o navio Pacific South foi carregado com 102,2 mil toneladas de farelo; no mês seguinte, foi a vez do E.R. Bayonne, que recebeu 104,2 mil toneladas. Assim como o Pacific Myra, ambos utilizaram o berço 214 de Paranaguá.

“Agora estamos embarcando mais de 108,5 mil. Todos no mesmo berço. Estamos nos superando a cada novo grande embarque, e conseguindo carregar cada vez mais, com segurança e eficiência”, disse em nota o diretor-presidente da Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia.

Na tarde desta segunda-feira, de acordo com o comunicado, ainda restavam 65 mil toneladas para carregamento na embarcação, que deve zarpar na madrugada da próxima quarta-feira.

“Muito embora não seja comum navios graneleiros desse porte, estamos mostrando que podemos nos habilitar para operação desse tipo, aproveitando oportunidades de mercado”, destacou o diretor de Operações da Portos do Paraná, Luiz Teixeira da Silva Júnior, acrescentando que os custos envolvidos nessas operações são relativamente menores do que com navios de médio porte.

O carregamento tem sido realizado por correias que partem de quatro terminais diferentes de Paranaguá. A agência responsável é a Cargill, enquanto a operação é da Tibagi, disse a estatal.

(Por Gabriel Araujo)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH3B1E6-VIEWIMAGE