Protesto no Pool de Combustíveis entra no 2º dia

A manifestação dos caminhoneiros continua, nesta sexta-feira os motoristas estenderam faixas pedindo a baixa dos preços dos combustíveis e do gás de cozinha.

“A ideia, gente, não é provocar desabastecimento, é provocar um entendimento da parte do Governo do Estado e da Petrobras, que eles têm autonomia para poder mexer na política de preços praticada pela Petrobras. O óleo diesel para nossa categoria no estado do Mato Grosso tem lugar que está 5,50, aqui no Paraná o mais barato 3,85, hoje a média de 4,40 tá sendo impraticável. Lembrando que tudo que vai na mesa do consumidor é transportado por caminhão e não é interessante para nós somente aumentar o valor do frete, interessante é que se mexa no preço do combustível para ter uma negociação direta e baratear o que vai na mesa do Consumidor.” Afirmou Lourival Santos, organizador do protesto e caminhoneiro.

Além do Pool de Combustíveis, alguns caminhoneiros e motoristas de aplicativos estão se organizando para que a paralisação também aconteça na PR-445. Segundo o organizador, os efeitos da manifestação já estão chegando a outros estados:

“A ideia não é a população com relação ao desabastecimento né, mas a adesão de várias cidades do Brasil está acontecendo tá, São Paulo nesse instante tá fazendo da mesma forma que a gente, fazendo manifestação, protesto, Maringá começou, temos outras regiões do Brasil também que já começou tá.” Afirmou Lourival Santos, organizador do protesto e caminhoneiro.

Aqui no local onde os motoristas estão concentrados, já tomaram seu café da manhã, tem cafezinho preto, tem leite, tem o pãozinho francês e também um guaraná, mas eles ainda contam com a ajuda da população.

“Recebemos doações ontem, o café da manhã foi tranquilo, tem um pessoal trazendo carne para gente fazer o nosso alimento aqui, não tá faltando nada, tá de parabéns, obrigado, quem quiser trazer água e máscara na parte da tarde a gente agradece, se conseguir tá, agradeço.” Afirmou Lourival Santos, organizador do protesto e caminhoneiro.

A manifestação não tem hora para acabar e poderá se estender durante a noite e o final de semana. “Começamos às 3 horas da manhã o nosso turno da nossa organização vai até às 5 horas da tarde e possivelmente vai ver um outro torno a partir das 19 horas para ficar a noite toda até a gente voltar amanhã. Estaremos aqui de plantão, lutando por todo mundo né, não é só por nós não tá, quem puder ajudar, sensibiliza e vem ajudar a gente aí.”  Finalizou Lourival Santos, organizador do protesto e caminhoneiro.