Protestos irrompem após polícia balear negro em Mineápolis

Por Nicholas Pfosi e Jonathan Allen

BROOKLYN CENTER, Minnesota (Reuters) – Policiais dispararam gás lacrimogêneo e balas de borracha quando manifestantes revoltados emergiram em um subúrbio da cidade norte-americana de Mineápolis depois que um homem negro de 20 anos foi morto a tiros durante uma abordagem de trânsito.

Os tumultos em Brooklyn Center ocorreram horas antes do reinício do julgamento de Derek Chauvin, ex-policial de Mineápolis acusado de assassinar George Floyd, em um tribunal localizado a menos de 16 quilômetros de distância nesta segunda-feira.

No domingo à noite, diante do Departamento de Polícia de Brooklyn Center, uma fileira de policiais disparou balas de borracha e agentes químicos contra os manifestantes, alguns dos quais lançaram pedras, sacos de lixo e garrafas de água contra a polícia.

O prefeito ordenou um toque de recolher até as 6h, e o superintendente de escolas local disse que o distrito recorreria ao ensino virtual nesta segunda-feira “por excesso de zelo”.

O homem morto pela polícia foi identificado por parentes e pelo governador do Minnesota, Tim Walz, como Daunte Wright. Walz disse em um comunicado que está monitorando os tumultos “enquanto nosso Estado lamenta mais uma vida de um homem negro tirada pelas forças da lei”.

A mãe da vítima, Katie Wright, disse a repórteres que o filho lhe telefonou na tarde de domingo para dizer que a polícia o havia parado por ter desodorizadores pendurados no espelho retrovisor, o que é ilegal no Minnesota. Ela disse que pôde ouvir um policial falar ao filho para que saísse do carro.

“Ouvi uma briga, e ouvi policiais dizendo ‘Daunte, não corra'”, contou ela, em prantos. A ligação terminou, e quando ela ligou de volta, a namorada do filho atendeu e disse que ele estava morto no banco do motorista.

Em um comunicado, a polícia disse que os policiais pararam um homem por uma infração de trânsito pouco antes das 14h (horário local) e descobriram que ele tinha um mandado de prisão pendente.

Quando a polícia tentou prendê-lo, ele voltou para o carro. Um policial atirou no homem, que não foi identificado no comunicado. O homem dirigiu vários quarteirões antes de atingir outro veículo e morrer no local.

(Por Nicholas Pfosi em Brooklyn Center, Minnesota, Tim Reid em Washington e Aakriti Bhalla em Bengaluru; reportagem adicional de Jonathan Allen em Mineápolis)

((Tradução Redação São Paulo, 5511 56447702)) REUTERS AC

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH3B103-VIEWIMAGE