Soroka, serial killer de homossexuais, é transferido para penitenciária: “estão me mandando para a execução”

Na manhã desta quarta-feira (2), José Tiago Soroka, de 32 anos, foi transferido para o sistema prisional. O homem, suspeito de ser um “serial killer” de homossexuais, já assumiu os três crimes que cometeu e também está sendo investigado por outros assassinatos.

Soroka estava preso na Delegacia da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de Curitiba desde o último sábado (29). A polícia não informou para qual unidade prisional ele foi encaminhado.

“Se me mandarem para a CCC (Casa de Custódia de Curitiba) estão me mandando para a execução, quero deixar bem claro isso. Não tenho ‘bronca’ lá, é seguro. Eu quero ficar no convívio normal. Medo de morrer eu não tenho, mas eu sei que se eu for pra lá, vou ser executado. Deve ter dado muita repercussão, o pessoal lá não aceita essa situação”, se defendeu.

Soroka foi preso em Curitiba no último sábado (29) pelas mortes de David Júnior Alves Levisio, ocorrida no dia 27 de abril e Marco Vinício Bozzana da Fonseca, morto no dia 4 de maio. Ele também é suspeito do latrocínio de Robson Olivino Paim, no dia 16 de abril, em Abelardo da Luz (SC).

Com a colaboração de Bruna Froehner, da Rede Massa