Vale deve ganhar com ciclo de commodities, diz BTG ao elevar preço-alvo de ações

SÃO PAULO (Reuters) – As ações da Vale devem se beneficiar com um ciclo positivo para os preços das commodities, disseram analistas do banco BTG Pactual, que aumentaram o preço-alvo para os papéis da companhia e reiteraram recomendação de compra.

A equipe do BTG para metais e mineração na América Latina ainda elevou projeções sobre os preços do minério de ferro, principal produto da mineradora brasileira, de acordo com relatório com data de segunda-feira.

“Nós estamos agora projetando uma curva do minério de ferro a 140 dólares/tonelada em 2021 (de 130 dólares/t antes), 110 dólares/tonelada em 2022 (de 100 antes), 100 dólares para 2023 (de 85/t) e 85 dólares em 2024 (de 70/t), com um preço real de longo prazo de 70 dólares (inalterado)”, escreveram.

O preço-alvo para as ações da Vale foi elevado para 27 dólares, de 21 dólares anteriormente, segundo o relatório.

Na semana passada, a agência de classificação de risco Fitch Ratings já havia revisado para cima premissas quanto aos preços de diversos metais neste e nos próximos anos, incluindo para o minério de ferro, cuja projeção para 2021 foi elevada em quase 70%.

“Após fortes resultados do quarto trimestre e um ciclo mais positivo para os preços das commodities, nós elevamos nossas estimativas para a companhia mais uma vez (pela quinta vez em um ano?)”, destacaram os analistas do BTG.

A Vale teve lucro líquido de 739 milhões de dólares no quarto trimestre, ante prejuízo líquido de 1,56 bilhão de dólares um ano antes, refletindo um histórico desempenho da unidade de ferrosos devido aos maiores preços.

Com base nesses resultados e no cenário de preços fortes para o minério de ferro, o BTG ainda elevou entre 15% e 20% a projeção para a geração de caixa operacional da Vale, estimando que o Ebitda deve atingir 35 bilhões de dólares em 2021.

Os analistas ainda projetam que a Vale deve pagar cerca de 8 bilhões de dólares em dividendos totais no segundo semestre, incluindo 3 bilhões em proventos extraordinários, o que levaria a um total de 12 bilhões de dólares para o ano completo.

Ainda assim, a companhia poderia fechar 2021 com 6 bilhões de dólares em caixa, acrescentaram.

De outro lado, os analistas do BTG ressaltaram que a Vale teve sucesso em endereçar temas de preocupações para os acionistas nos últimos meses, após a empresa ter fechado um acordo global com o governo de Minas Gerais envolvendo 37,69 bilhões de reais em compensações pelo desastre de Brumadinho (MG), que envolveu rompimento de uma barragem da companhia em janeiro de 2019.

Para eles, as ações da Vale têm sido negociadas com “desconto excessivo” ante mineradoras rivais, de cerca de 50%, contra um nível “justo” de 15% a 20%.

(Por Luciano Costa)

tagreuters.com2021binary_LYNXNPEH21125-VIEWIMAGE