Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Conselho de patrimônio tomba complexo ferroviário de Sorocaba

Um dos mais significativos conjuntos ferroviários de São Paulo foi incluído na lista de bens protegidos pelo patrimônio histórico do Estado. O Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo (Condephaat) aprovou na segunda-feira, 20, o tombamento da estação, oficinas, centro administrativo, residências e o pátio de manobras de Sorocaba, interior de São Paulo.

A estação, inaugurada em 1875, é marco da Estrada de Ferro Sorocabana (EFS) e conserva as características arquitetônicas originais. No inicio, a ferrovia tinha o marco zero na estação Júlio Prestes, em São Paulo, e terminava em Sorocaba.

O tombamento inclui o armazém restaurado, transformado em sede do Museu de Arte Contemporânea de Sorocaba (Macs), o chalé francês, hoje um centro cultural, e o casarão que abriga o Museu Ferroviário. O conjunto fica na região central da cidade. O prédio original da estação foi ampliado em 1929, tornando-se um dos maiores da Sorocabana. O tombamento acontece em um momento em que o edifício enfrenta acelerado processo de deterioração. Um projeto de recuperação está parado por falta de recursos.

Construída para absorver a produção de algodão de Sorocaba e de minérios da Imperial Fábrica de Ferro de São João de Ipanema, na atual Iperó, a ferrovia induziu o desenvolvimento de grande parte do interior. "É um dos mais completos remanescentes da antiga Sorocabana, uma das principais ferrovias paulistas", assinala o parecer do Conselho.

Na década de 1940, com a eletrificação da linha, a estação passou a receber trens elétricos. Em 1971, a Sorocabana foi incorporada pela estatal Ferrovias Paulistas S/A (Fepasa) e, em 1988, a ferrovia foi concedida à iniciativa privada. O último trem de passageiros partiu da estação em 2001 com destino a Apiaí.

De acordo com José Antônio Chinelato Zagato, da Unidade de Preservação do Patrimônio Histórico do Condephaat, o tombamento valoriza o significado cultural desse patrimônio e assegura sua preservação para a comunidade. Ele lembra que a comunidade contribuiu para a proposta de tombamento, através da consulta pública aberta no ano passado. Mais de 80 colaborações foram analisadas. "O resultado foi positivo, pois houve apoio absoluto à preservação como patrimônio cultural", disse.