Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Ninguém pensou que era ela, diz prima de noiva morta em acidente aéreo

(Foto: Reprodução / Facebook) - Ninguém pensou que era ela, diz prima de noiva morta em acidente aéreo
(Foto: Reprodução / Facebook)

LEANDRO MACHADO

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Dois helicópteros de canais de TV sobrevoavam o cemitério Memorial Parque Paulista, em Embu das Artes, região metropolitana de São Paulo, por volta das 17h desta segunda (5), quando os corpos de Rosemere do Nascimento, 32, e seu irmão eram enterrados.

As pessoas olhavam para cima e ouviam o barulho tentando entender. Mas entender era o mais difícil: os dois morreram justamente em um acidente de helicóptero na tarde deste domingo (4).

Rosemere, vestida de noiva, entrou no helicóptero para chegar ao seu casamento com o chaveiro Udirley Marques Damasceno.

"Parecia um filme de terror", lembra Damião Marques, 43, irmão do noivo.

No momento da queda, todos os convidados esperavam a chegada de Rosemere, que queria surpreender o noivo, ao descer de helicóptero.

"Estava tudo pronto, Udirley já tinha entrado, a dama de honra também", diz Damião.

Mas Rosemere não chegava. As noivas atrasam, normal. "Então alguém disse que teve um acidente perto, só isso. Ninguém pensou que fosse ela", conta a professora Léia de Almeida, 37, prima de Rose.

Depois, veio a notícia de que era um helicóptero, "mas nada grave".

Até então ninguém sabia que Rosemere chegaria de helicóptero. Ela só contou para a mãe, com medo do noivo descobrir.

Outro que sabia era o dono do sítio, Recanto Beija-Flor, em São Lourenço da Serra (Grande SP). A demora aumentou e o dono do sítio avisou da tragédia. "Mas ele disse que só tinha uma vítima", conta Léia.

Minutos depois, a notícia: Rose estava morta. "Foi inacreditável, todo mundo ficou em choque", diz Marli Araújo, 37, prima de Rose.

O casal era evangélico e se conheceu na igreja Congregação Cristã de Taboão, há pouco mais de um ano.

Apaixonados, logo resolveram se casar. "Ela estava a pessoa mais feliz do mundo, arrumou todos os detalhes do casamento", diz a prima Léia.

Gastaram em torno de R$ 5.000. A chegada de helicóptero estava incluído em um pacote especial, mas só Rose sabia.

Durante o velório, amigos -a grande maioria da igreja- rezavam emocionados. Alguns chegaram a se ajoelhar.

Udirley não quis falar com a imprensa. Ficou ao lado do caixão, chorando.

Para buscar um motivo, os fiéis tentavam se consolar em Deus. "É muito triste, nunca vamos esquecer esse funeral. Essa tragédia surpreendeu a todos, mas Deus já sabia. Nós temos que tentar entender os desígnios de Deus", falou o pastor, no velório.

O ACIDENTE

O helicóptero caiu sobre uma área de chácaras, no bairro Barrinha. O vigilante Rubens Pires, 36, diz que ele dava voltas, como se procurasse um local para pousar.

"Ele foi e voltou duas vezes. A hélice parece que se desfez e depois ouvimos um barulho do helicóptero caindo no meio das árvores", afirmou.

A cuidadora Cíntia Camargo Pires, 35, disse que viu a aeronave girando antes de cair. "Estava saindo fumaça. A hélice estava parada, e o helicóptero é que girava", disse.

No horário da queda, a região tinha tempo encoberto, com neblina e chuva fraca.

A aeronave modelo Robinson 44 havia sido comprada recentemente, segundo informações da Anac (agência de aviação civil). A situação dela era regular.

Segundo a Anac, houve dois acidentes fatais em 2015 com o modelo. Ao todo, o país teve 13 acidentes de helicóptero no ano passado, com todos os modelos, sendo cinco com mortes. De 2006 a 2015, houve 211 acidentes de helicóptero no Brasil.

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo