Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Prefeitura de SP afasta funcionários de terminal onde ator negro foi agredido

A Prefeitura de São Paulo determinou o afastamento de funcionários que trabalhavam no Terminal Parque Dom Pedro II na madrugada desta quarta-feira, 15, quando um ator negro foi agredido e roubado por um grupo. Diogo Cintra, de 24 anos, diz que pediu ajuda para vigilantes e que eles negaram socorro por racismo. O caso ocorreu por volta das 5 horas desta quarta-feira, 15.

A SPTrans, responsável pelo terminal de ônibus, determinou o "imediato afastamento" dos funcionários do turno. Ao ser procurada na sexta-feira, 17, no entanto, a SPTrans havia informado que solicitou esclarecimentos à SPURBANUS, responsável pela administração do Terminal Parque Dom Pedro II, e que iria colaborar com as autoridades para elucidar os fatos.

"Os funcionários permanecerão afastados até que sejam concluídas todas as apurações o fato seja elucidado", diz a SPTrans. "A SPTrans está colaborando com as autoridades policiais para esclarecer o caso o mais depressa possível. O processo de apuração ocorre mesmo durante o final de semana prolongado. A SPTrans reitera repudiar com veemência quaisquer atos de agressões e de racismo".

Em nota, a Secretaria da Segurança Pública disse que o 1º Distrito Policial, da Sé, instaurou inquérito para investigar o ocorrido. "A vítima será ouvida nos próximos dias. As imagens do Terminal Parque Dom Pedro estão sendo analisadas para a identificação dos autores das agressões".

O caso foi registrado como roubo e lesão corporal no 78º Distrito Policial e foi solicitado um exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML).

O caso.

O ator saiu de uma balada na região central da cidade de São Paulo por volta das cinco horas da manhã e seguia para casa quando foi abordado por dois homens que pediram celular e dinheiro.

Cintra reagiu e tentou se abrigar no Terminal de Ônibus Parque Dom Pedro II, onde pediu a ajuda de uma segurança. Ela sugeriu que ele pedisse ajuda a seguranças homens, também do terminal.

Nesse momento, porém, os mesmos criminosos que haviam tentado roubá-lo chegaram ao local com um grupo maior de pessoas. Eles o acusaram de ser ladrão e ter roubado o celular de um deles. Ele afirma que tentou convencer os funcionários de que era o dono do aparelho, mas foi forçado a ficar em silêncio.

"Assumindo logo de cara que eu era o culpado, ele me entregou pros caras, que me arrastaram para fora da estação, e lá do lado de fora eu fui ESPANCADO por eles. O segurança chegou a perguntar o que eles iam fazer comigo, e disseram que iam me levar pro 'rio' ", relatou em post no Facebook.

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo