Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Professor que invadiu secretaria no DF responderá por porte de arma branca

O professor de violino Egon Francisco de Mattos, 53, que na manhã desta sexta-feira, 15, entrou na sede da Secretaria de Educação do Distrito Federal com uma faca e uma besta, responderá por porte de arma branca, de acordo com o delegado de plantão Fábio Costa dos Prazeres, responsável pelo caso. A pena prevista para este delito é de prisão simples, de 15 dias a seis meses, ou multa.

Mattos dava aulas na Escola de Música de Brasília (EMB) para crianças de 10 anos, de acordo com a Secretaria de Educação do DF. Além de responder pelo caso no Juizado Especial Criminal, o professor responderá ainda a um processo administrativo disciplinar, que foi instaurado no final da tarde desta sexta-feira pela Corregedoria da Secretaria de Educação do DF.

O delegado Fábio Costa dos Prazeres relatou ao jornal O Estado de S. Paulo que o professor foi à Secretaria de Educação para mostrar sua indignação com a situação da Escola de Música de Brasília. De acordo com Prazeres, o professor não ameaçou ninguém nem tinha a intenção de agredir o secretário de Educação, Rafael Parente.

"Ele levou a faca para lá para se matar. A besta ele não falou nada a respeito. Mas a besta não machuca ninguém, não. Os dardos são de plástico e pequenos, não são flechas", afirmou o delegado.

Em nota, a Secretaria de Educação informou que o professor subiu até a assessoria do gabinete de Parente, no 12º andar. Ele tinha acesso ao prédio por ser professor da rede pública de ensino do DF. O caso ocorreu às 12h30. Segundo o delegado, um segurança do prédio percebeu o cabo da besta para fora da mochila do professor e chamou a Polícia Militar.

"Pela narrativa dos policiais militares, a abordagem foi tranquila. Ele não resistiu nem precisou de algemas", contou o delegado. Quinze minutos depois ele foi levado à 5ª Delegacia de Polícia Civil de Brasília, próxima ao estádio Mané Garrincha.

"Ele estava revoltado, não falava coisa com coisa. Dentro da cela ele disse que queria se matar. Então nós o deixamos só de cueca, mas ele quis ficar nu para pendurar a cueca e se matar. Um policial intercedeu e ficou de olho nele para ele não fazer nada", explicou o delegado.

A Polícia Civil então acionou o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). A equipe de socorristas veio acompanhada de uma psicóloga que foi designada para conversar com o professor na cela. Ela relatou que o professor ficou em surto, disse o delegado. Ele foi encaminhado para o Hospital de Base de Brasília.

Pelo Twitter, o secretário de Educação do DF informou que estava bem e também preocupado com o professor e sua família. "Estamos fazendo e faremos todo o possível para que recebam todos os tratamentos necessários." Ele escreveu ainda que "novas medidas para a segurança do prédio já serão implementadas na 2ª feira".

Críticas

Em uma rede social, o professor publicou nesta quarta-feira, 13, que, "depois de um longo período de licença médica da EMB", voltou a dar aulas. "Retornei com alegria e esperança em ajudar Brasília a ser uma sociedade melhor através da música e principalmente do ápice desta arte, a música sinfônica", diz o começo do texto.

Na sequência, o professor afirma que seria ingenuidade pensar dessa forma e começa uma série de críticas ao que considera ser uma falta de investimento na Escola de Música de Brasília. O delegado conta que a esposa do professor mostrou a ele a publicação feita pelo marido, que, de acordo com ela, queria falar com o secretário da Educação sobre o abandono da escola de música.

"Pensava que já havia visto todo tipo de irracionalidade, incapacidade administrativa e ignorância total quanto ao gerenciamento de uma escola de música. A cantina foi encerrada e agora sem janelas e ventilação foi transformada em ao menos duas salas de aula", escreveu o professor.

"Se não é intencional a destruição da EMB, no mínimo estes fatos revelam estratosférica inabilidade e incapacidade administrativa, além de arrogância e necessidade compulsiva de mando! Neste caso seria mais apropriado dizer DESMANDO!", escreveu.

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo