Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Só uma Etec segue ocupada em São Paulo

Os estudantes que ocupavam as escolas técnicas estaduais (Etecs) deixaram quase todos os prédios até este fim de semana. Nesta segunda-feira, 16, o Centro Paula Souza, que administra os colégios, disse que só uma unidade segue tomada pelos estudantes: A Abdias do Nascimento, em Paraisópolis, zona sul da capital.

A saída das ocupações teve início na última sexta-feira, 13, depois de o governo Geraldo Alckmin (PSDB) adotar nova estratégia e realizar quatro reintegrações de posse sem mandado judicial. Quase 100 alunos, a maioria menor de idade, foram conduzidos às delegacias para prestar esclarecimentos, acusados de terem depredado as unidades.

Além disso, a principal pauta dos estudantes - a substituição da chamada "merenda seca", com bolachas e suco, por refeição, foi atendida pelo governo estadual. Há duas semanas o governo anunciou que faria uma consulta às escolas para os alunos decidirem se queriam substituir o lanche por marmitex. A mudança passaria a valer em agosto.

Outra dificuldade dos estudantes foi enfrentar um movimento de pais e estudantes que, incentivados pela direção das unidades, eram contrários às ocupações. Na Etec Basilides de Godoy, por exemplo, a Polícia Militar acompanhou toda a ação de fora.

Até a sexta-feira, o Centro Paula Souza afirmou ter calculado prejuízo ao patrimônio de R$ 120 mil em nove das unidades desocupadas. A autarquia alega que os ocupantes danificaram mobiliário, central de telefonia, circuito de câmeras e que discos rígidos dos computadores foram furtados.

Na Etesp, primeira Etec ocupada, o órgão contabilizou "portas arrombadas, fechaduras e móveis danificados, estragos na alvenaria, encanamento e até em materiais usados pelos alunos".