Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Temer evita falar de política em ação contra Aedes


O vice-presidente da República, Michel Temer, fugiu de todas as questões de política no evento em que participou em Curitiba, na manhã deste sábado (13), pela mobilização contra o mosquito Aedes aegypti. Temer limitou-se a dizer que "não era conveniente misturar as coisas neste momento", quando perguntado sobre a sua relação com a presidente Dilma e o andamento do impeachment.

"O governo decidiu realizar esta mobilização em que estão envolvidos todos os ministérios para podermos enfrentar a situação grave que o Brasil vive", afirmou Temer. O vice-presidente destacou a "união" de todas as esferas de governo para atender à população. Sobre a sua vinda para Curitiba, Temer revelou que foi combinado que cada membro do governo participaria de mobilizações fora de seus estados de origem - no caso dele, de São Paulo.

O evento em Curitiba é o primeiro que Temer participa em nome do governo federal desde que ensaiou um rompimento com a presidente Dilma, através de uma carta que vazou para a imprensa, no final de 2015. Mesmo não admitindo abertamente, o vice-presidente deu a entender que vai participar ativamente do governo até o final do mandato de Dilma, quando, segundo ele, o PMDB deve lançar candidato próprio à Presidência da República.

Em Curitiba, o início da mobilização ocorreu no Quartel General do Pinheirinho, com a participação do prefeito Gustavo Fruet (PDT) e do secretário estadual de Saúde, Michele Caputo (PSDB), que representou o governador Beto Richa (PSDB).

A previsão é de que cerca de 2,3 mil militares participem no Paraná das ações previstas pelo governo federal para combater o mosquito. A capital paranaense, embora pouca atingida ainda pela doença - foram 106 casos de dengue confirmados, todos importados, e três de Zika vírus. No último dia 8 foi registrada a primeira morte provocada pela dengue na cidade, de um homem que teria contraído a doença no Paraguai.

No Paraná, em compensação, 14 cidades estão em situação de epidemia, com um total de 4.806 casos em todo o Estado. O ponto mais crítico é na cidade de Paranaguá, com o maior número de casos.
A partir de segunda-feira, agentes de Saúde, soldados do Exército e da Aeronáutica devem percorrer todos os bairros de Curitiba, em busca de possíveis locais de propagação do mosquito.

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo