Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Antes de cair na folia, cuide do combate à dengue

(Foto: Venilton Küchler/AENPr) - Antes de cair na folia, cuide do combate à dengue
(Foto: Venilton Küchler/AENPr)

Enquanto muitos se preparam para o feriado de Carnaval é importante lembrar que o combate à dengue não ganha folga. Antes de viajar para curtir a folia, é fundamental que as pessoas realizem vistorias em suas casas e quintais para eliminar qualquer tipo de recipiente que possa acumular água da chuva se torne um criadouro do mosquito.

As medidas são simples, conforme destaca o secretário estadual da Saúde, Michele Caputo Neto. “Quinze minutos são suficientes para deixar a casa livre de focos do mosquito”, garante. Um fator que favorece a proliferação do mosquito é a alta temperatura, que acelera o ciclo reprodutivo do inseto. Os ovos eclodem mais rápido, o que aumenta também a quantidade de mosquitos em circulação. Com a ocorrência de chuvas, o risco cresce ainda mais.

Durante a festa, também é preciso estar atento. “Copos plásticos, latas, garrafas e outros objetos descartados na rua são um prato cheio para que o mosquito da dengue deposite seus ovos. Não podemos dar chances aos Aedes aegypti. Todo cuidado é pouco”, alerta o coordenador da Sala de Situação da Dengue, Zika e chikungunya, Raul Bely.

518 casos de dengue foram confirmados no Estado desde agosto de 2016. O número é quatro vezes menor do que o registrado no mesmo período passado (ago/2015 a fev/2016). Nenhuma morte foi confirmada até agora.

“A condição climática é favorável e temos a presença do mosquito em praticamente 80% das cidades do Estado. São motivos mais do que suficientes para reforçarmos as ações de prevenção, sobretudo nesta época mais crítica”, avalia Bely.

O boletim informativo divulgado nesta terça-feira (21) traz a confirmação de dois casos autóctones de dengue em Curitiba. Isso significa que os pacientes contraíram a doença na própria capital. Além disso, desde agosto de 2016, o Estado já contabiliza 13 casos de febre chikungunya e três casos de zika vírus.

Colaboração Agência de Notícias do Paraná