Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Unidades de Conservação são laboratórios para pesquisas

(Foto: AEN) - Unidades de Conservação são laboratórios para pesquisas
(Foto: AEN)

Você sabia que as Unidades de Conservação Estaduais funcionam como grandes laboratórios para o desenvolvimento de pesquisas? Desde 2014, as estações ecológicas e parques estaduais gerenciados pelo Instituto Ambiental do Paraná (IAP) já serviram como laboratório para a realização de 242 pesquisas científicas.

Os estudos são de natureza ambiental, econômica e social, importantes para aperfeiçoar o conhecimento e manejo das áreas a curto, médio e longo prazo. Eles ajudam a entender a biodiversidade local e podem auxiliar nas ações que renovam e preservam ecossistemas nas unidades.

Desde 2014 até maio de 2018, 36 parques estaduais e cinco estações ecológicas em todas as regiões do Paraná foram palco de pesquisas e projetos científicos. As Unidades de Conservação que mais registraram pesquisas foram o Parque Estadual de Vila Velha, em Ponta Grossa, com 63 estudos, e o Parque Mata dos Godoy, em Londrina, que recebeu 47 projetos.

Estudos

Um dos exemplos de estudo que contribuiu para a gestão das unidades de conservação está a pesquisa sobre o manejo com fogo controlado, realizado por professores e alunos da Universidade Federal do Paraná e da Universidade Positivo. A técnica utiliza a aplicação do fogo como ferramenta para a restauração dos ecossistemas de campos.

A ideia do projeto era usar o fogo para auxiliar a sucessão ecológica, promovendo alterações na composição florística e dos nutrientes do solo. O objetivo da técnica é restaurar o ecossistema para que ele se aproxime o máximo possível das condições ambientais naturais da época de criação da Unidade de Conservação, há 60 anos. O Parque de Vila Velha foi um dos primeiros do país a praticar o manejo com fogo controlado de maneira não experimental.

Desde o início de sua aplicação, pesquisas vêm mostrando que a utilização do fogo para controle e erradicação de espécies exóticas invasoras está trazendo resultados positivos à Unidade de Conservação. É possível registrar a presença de exemplares da flora e fauna típicas da vegetação de campos e que não eram mais vistas.

Autorizações

Para a realização de pesquisas científicas nas Unidades de Conservação Estadual é necessário que estudantes, professores e pesquisadores solicitem as devidas autorizações ao IAP. As normas estão estabelecidas pela Portaria do IAP nº 017/2007. É preciso também enviar um relatório ao instituto com os resultados após a finalização da pesquisa.

Informações AEN

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo