Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Vítima de estupro em Foz do Iguaçu aborta após autorização da Justiça

Divulgação - Vítima de estupro em Foz aborta após autorização da Justiça
Divulgação

Uma jovem de 22 anos conseguiu autorização da Justiça para realizar aborto, tendo em vista que foi vítima de estupro em Foz do Iguaçu. O procedimento foi realizado em novembro, mas o crime ocorreu no dia 12 de julho deste ano.

A vítima saiu de São Paulo e veio a Foz para estudar. Certo dia, ela foi estuprada por um homem, mas se sentiu acuada e com medo de registrar o fato junto à Polícia. No dia seguinte, sofreu um sangramento e pensou que poderia ser a menstruação. Passado um mês, a mulher começou a sentir ânsia de vômito e desconfiou da gestação. Então, ela procurou o Centro de Referência da Família para realizar o teste, que deu positivo.

Imediatamente, a vítima procurou o Hospital Ministro Costa e Cavalcanti para realizar o aborto. "A equipe do hospital disse que ela deveria fazer o boletim de ocorrência para realizar o procedimento e criou empecilhos. No entanto, a Constituição é bem clara quando diz que a mulher vítima de estupro tem o direito de fazer o aborto", explica a defensora pública Maria Fernanda Ghannage Barbosa.

Diante da dificuldade, a vítima procurou a Defensoria Pública de Foz do Iguaçu para garantir seus direitos. "Antes de ingressarmos com o pedido, ela passou por atendimento junto à Assistência Social e toda a história foi relatada. Ela estava sofrendo muito com o que havia acontecido", explicou. A Defensoria pediu análise em caráter de urgência junto à Vara do Tribunal do Júri. "A decisão saiu no dia 28 de setembro, quatro dias após o pedido", detalha.

O juiz confirmou a garantia do direito de interrupção de gravidez resultante de estupro. A mulher foi submetida ao procedimento, à época, com 11 semanas de gestação. 

Ainda conforme a defensora Maria Fernanda, a vítima não sofreu complicações e passa bem. "Ela faz apenas acompanhamento psicológico", conclui.