Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Aço Brasil revê previsão de queda da produção de aço bruto em 2016

A nota enviada anteriormente continha incorreções. A estimativa anterior do Aço Brasil para a produção de aço bruto em 2016 era de 33,2 milhões de toneladas, e não de 31 milhões como informado. Em relação às exportações, a previsão da entidade é que elas recuem 3,7% em volume em 2016, e não 7,6%. Seguem texto e título corrigidos:

A crise no mercado interno e o excesso de aço no mercado internacional levaram o Instituto Aço Brasil a reduzir suas projeções para o nível de atividade do setor neste ano. A nova estimativa para a produção de aço bruto no País em 2016 é de 30,7 milhões de toneladas, o que representa queda de 7,6% em relação a 2015. Se confirmado, será o menor volume registrado desde 2009. A projeção anterior, divulgada em junho, era de uma queda na ordem de 4,3%, para 33,2 milhões de toneladas.

De acordo com o Aço Brasil, a intensidade da queda do desempenho dos indicadores da indústria siderúrgica vem diminuindo, "o que permite dizer que talvez o pior tenha passado", diz em nota divulgada junto com as previsões. Na análise do instituto, isso não garante a recuperação vigorosa do setor devido à manutenção de fatores estruturais e conjunturais e à fraqueza da demanda doméstica.

As vendas no mercado interno devem totalizar 16,3 milhões de toneladas no ano, recuo de 10,1%, patamar semelhante ao de 2005. O consumo aparente de aço, por sua vez, deve somar 17,9 milhões de toneladas, queda de 16,2%. Até junho a expectativa era de queda de 14,4%.

"Tanto em nível de venda quanto de consumo aparente estamos retomando o patamar de 11 anos atrás. A situação do mercado interno nos levou a uma realidade de uma década atrás. Em termos de consumo paramos no tempo", disse Alexandre Lyra, presidente do Conselho Diretor do Aço Brasil. "A mensagem positiva é que a queda está desacelerando, mas daí a se falar em retomada ainda temos um belo caminho pela frente", disse.

As exportações devem somar 13,218 milhões de toneladas em 2016, queda de 3,7% em relação a 2015. A estimativa anterior era de diminuição de 3,5%, para 13,726 milhões de toneladas. Em valores o Aço Brasil estima que as vendas externas alcancem US$ 5,5 bilhões, 16,7% inferiores na comparação anual.

Já as importações são estimadas em 1,622 milhões de toneladas, recuo de 49,5% em relação ao ano passado.

O consumo aparente de aço em 2017 deverá crescer 3,5%, para 18,483 milhões de toneladas. Já as vendas no mercado doméstico podem ter alta de 3,6%, para 16,920 milhões de toneladas.

Produção

A produção de aço bruto em outubro somou 2,720 milhões de toneladas, queda de 8,8% ante o registrado no mesmo mês de 2015. De janeiro a outubro 25,638 milhões de toneladas de aço foram produzidas nas usinas do País, um recuo de 9,2%.

O consumo aparente de aço, que inclui produtos nacionais e importados, caiu 2,1% no mês, para 1,605 milhão de toneladas, e no ano já acumula um recuo de 17,6% (15,286 milhões de toneladas). Já as vendas de aço no mercado interno recuaram 5,4% no mês passado, para 1,374 milhão de toneladas. Nos dez primeiros meses do ano a comercialização de produtos siderúrgicos no mercado interno diminuiu 11,1%, somando 13,937 milhões de toneladas.

Na tentativa de compensar a perda de mercado doméstico, as siderúrgicas tentaram exportar mais, mas têm esbarrado no que chamam de "assimetrias competitivas" e no custo Brasil. Houve queda de 2,3% nas exportações no acumulado do ano. De janeiro a outubro foram exportadas 10,999 milhões de toneladas de aço. Em outubro houve queda de 23,4% ante o mesmo mês de 2015, para 931 mil toneladas.

Os ganhos com as exportações em dólar caíram 19,9%. Ao longo dos primeiros dez meses de 2016 a siderurgia obteve receita de US$ 4,537 bilhões com os embarques de aço.

Em outubro o País importou 282 mil toneladas de aço, volume 46,9% superior ao de igual mês do ano passado. No acumulado dos dez meses do ano as importações caíram 51%, somando 1,451 milhão de toneladas de aço.