Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Anfavea prevê crescimento próximo de 2 dígitos para mercado de veículos em 2017

(Foto: Divulgação) - Anfavea prevê crescimento para mercado de veículos em 2017
(Foto: Divulgação)

Depois de quatro anos seguidos em queda, o mercado brasileiro de veículos deverá ter crescimento próximo de dois dígitos em 2017, aposta o presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Antonio Megale, em vídeo exibido nesta segunda-feira, 17, na abertura de evento que reúne executivos de montadoras em São Paulo.

Megale estava escalado para fazer a palestra de abertura do evento, mas não pode comparecer em razão de compromisso na Rússia. No vídeo, mostrou otimismo com a recuperação do mercado no ano que vem, mas ponderou que a velocidade da retomada será "diretamente afetada" pela velocidade da aprovação de medidas de ajuste fiscal. "A taxa de juros começa a cair, o risco país começa a cair, a confiança do investidor volta, o emprego volta, o otimismo volta e o país volta a crescer", disse.

A previsão da Anfavea para este ano é de queda de 19% nas vendas, após recuos de 26,5% no ano passado, de 7,15% em 2014 e de 0,9% em 2013. Para Megale, no entanto, os últimos três meses de 2016 deverão ter um desempenho superior ao dos outros trimestres do ano, devido à estabilização do ambiente político, à adoção de medidas econômicas por parte do novo governo e ao tradicional aquecimento do consumo no fim do ano. Segundo o executivo, esses fatores combinados devem elevar a confiança do consumidor, resultando em vendas.

Apesar da expectativa de melhora das vendas nos últimos meses de 2016, a Anfavea já admite que está mais difícil atingir a previsão de produção para o ano. A projeção da associação é de 2,296 milhões de unidades produzidas este ano, 5,5% abaixo do volume registrado no ano passado. "Vamos ficar com um número um pouco aquém disso", afirmou, citando as quedas na produção dos últimos meses.

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo