Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Bolsas europeias caem majoritariamente em dia de análise do governo Trump

Em dia de agenda esvaziada de indicadores, as principais bolsas na Europa tiveram viés positivo ao longo da manhã desta quinta-feira, 10, com exceção de Londres, mas acabaram terminando majoritariamente em queda, com os investidores realizando recentes lucros e ainda digerindo a eleição de Donald Trump à presidência dos EUA. A queda acentuada do petróleo também contribuiu para as perdas.

Após abrir em alta na esteira do rali de ontem, o índice Stoxx 600 fechou em baixa de 0,30%. Ao longo da sessão, os investidores passaram a digerir melhor a eleição de Trump, o que tem gerado dúvidas. As ações de saúde e de metais preciosos tiveram inicialmente os maiores ganhos, mas o otimismo fracassou no final do pregão e arrastou os mercados globais mais baixos. As ações das mineradoras Fresnillo e Randgold, negociadas em Londres, tiveram queda de mais de 10%.

A bolsa de Londres fechou em baixa de 1,21%, Paris perdeu 0,28% e Frankfurt caiu 0,15%. Já a bolsa de Madri recuou 1,63%, Lisboa cedeu 1,74%, enquanto Milão teve alta de 0,03%.

A queda do petróleo pesou em Londres, assim como balanços fracos da Mediclinic International, do setor de saúde, e da AstraZeneca, do setor farmacêutico. As ações tiveram queda de 15,65% e 3,74%, respectivamente. Por outro lado, as ações de bancos, de defesa e de mineração continuaram a subir em meio ao otimismo dos investidores em relação ao governo de Trump, que prometeu maior desregulamentação financeira, crescimento econômico e gastos com infraestrutura e defesa. Entre os destaques de alta, as ações da Antofagasta dispararam 11% diante do desempenho do cobre que tem tido avanço acentuado nos últimos 14 dias.

"A perspectiva de que as taxas de juros sejam mais altas nos EUA e menor regulação no setor financeiro sob a presidência de Trump ajudou todos os bancos europeus", disse James Hughes, analista de mercado da GKFX.

Já em Frankfurt, a retração foi mais limitada. Por lá, a bolsa também passou por realização dos recentes ganhos. A esperança de uma flexibilização das regras bancárias nos EUA fez o papel do Deutsche Bank fechar em alta de 5,6%. Entre as quedas, a ação do Deutsche Telekom caiu 1,8%.

Além disso, o conglomerado industrial alemão Siemens registrou lucro líquido de 1,15 bilhão de euros (US$ 1,25 bilhão) no quarto trimestre fiscal. O resultado representa um avanço de 20% na comparação com igual período do ano passado, quando o lucro foi de 959 milhões de euros, impulsionado por um crescimento subjacente forte na maioria de suas divisões de negócios.A ação fechou em alta de 4,24%. (Com informações da Dow Jones Newswires)