Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Bolsas europeias fecham majoritariamente em baixa

(Foto: Divulgação) - Bolsas europeias fecham majoritariamente em baixa
(Foto: Divulgação)

As principais bolsas europeias fecharam majoritariamente em baixa nesta sexta-feira, 18, puxadas pelos setores financeiro e de commodities, este último penalizado pelo dólar alto. O dólar subiu com maior intensidade desde quinta-feira, com a fala da presidente do Federal Reserve (Fed, o BC dos EUA) no Congresso, sinalizando que pode haver um aumento de juros em breve, argumento que foi reiterado por dirigentes do Fed nesta sexta.

Nesse cenário, o índice pan-europeu Stoxx 600 caiu 0,35% (-1,21 ponto), para 339,39 pontos. Durante a semana, o Stoxx 600 apresentou alta de 0,56%.

A perspectiva de que os juros nos EUA deverão subir em dezembro, que foi sinalizada na quinta-feira pela presidente do Federal Reserve (Fed, o BC dos EUA), Janet Yellen, foi reiterada nesta sexta por dirigentes da instituição. O presidente do Federal Reserve de St. Louis, James Bullard, afirmou que "está inclinado a apoiar" uma elevação na taxa de juros em dezembro. No mesmo sentido, a presidente do Fed de Kansas City, Esther George, disse que espera que a economia do país avance em um ritmo moderado e que apoia subir os juros, sendo melhor movê-los "mais cedo do que mais tarde".

Todos esses discursos deram combustível para o dólar se fortalecer ainda mais ante o euro, o que prejudicou as empresas de commodities, principalmente as mineradoras. Nem mesmo a fala do presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, que indicou que pode estender as medidas de estímulo à economia europeia na próxima reunião de política monetária, que ocorre em dezembro, fez com que o mau humor se afastasse das bolsas.

Outro setor que foi fortemente penalizado foi o bancário. A Itália realizará um referendo sobre uma reforma constitucional no dia 4 de dezembro, e uma derrota para o Partido Democrático do primeiro-ministro, Matteo Renzi, tornaria mais difícil para o governo aprovar reformas fiscais, levando Renzi a dissolver seu governo. Os bancos italianos estão sendo atingidos pela "preocupação com o nível de empréstimos inadimplentes, bem como com uma economia enfraquecida, e a crescente perspectiva de que Renzi possa perder o voto", disse Michael Hewson, analista de mercado da CMC Markets, em nota. Todo este nervosismo contaminou os demais bancos pela Europa.

Na bolsa de Londres, o índice FTSE-100 teve baixa de 0,28%, para 6.775,77 pontos, e na semana subiu 0,67%. Depois de abrir a sexta-feira em alta, o índice passou a cair, influenciado pelo setor financeiro. As ações do Lloyds caíram 0,90% e as do Barclays recuaram 0,21%. No setor de commodities, a Royal Dutch Shell teve baixa de 0,40%. Por aqui, as mineradoras lideraram as perdas: a Rio Tinto perdeu 2,88% e a Anglo American caiu 3,28%.

Em Frankfurt, o índice DAX perdeu 0,20%, para 10.664,56 pontos, também influenciado pelas ações do setor financeiro. O Commerzbank registrou queda de 0,66% e o Deutsche Bank caiu 0,40%. Na semana, o índice avançou 0,34%. Também nesta sexta-feira, a Volkswagen anunciou uma reestruturação de suas operações, que resultaria em um corte de até 30 mil vagas ao longo de cinco anos. As ações da companhia fecharam em baixa de 0,87%.

Em Milão, os bancos italianos puxaram o índice FTSE-MIB para baixo, em uma queda de 1,75%, a 16.265,90 pontos. O Banca Popolare di Milano caiu 5,22%, o Unicredit cedeu 0,90%, o Monte dei Paschi di Siena recuou 0,63% e o Banco Popolare Societa Cooperativa caiu 5,10%. Na semana, o FTSE-MIB registrou baixa de 3,25%. Nesta sexta-feira, o Banco Central da Itália afirmou que o plano de resgate do Banca Monte dei Paschi di Siena enfrenta riscos relacionados à recente volatilidade nos mercados. "O plano é complexo e envolve muitos atores", aponta o BC.

Em Paris, o índice CAC-40 fechou em queda de 0,52%, a 4.504,35 pontos. Na semana, o índice subiu 0,34%. Seguindo a tendência de queda do setor financeiro, as ações da AXA caíram 1,22% e as do BNP Paribas recuaram 0,38%. No setor de energia, a Engie teve baixa de 2,22%.

Em Madri, o índice Ibex-35 teve baixa de 1,09%, para 8.622,90 pontos, e caiu 0,19% na semana. Na bolsa de Lisboa, o índice PSI-20 ganhou 0,09%, para 4.420,30 pontos, e na semana subiu 0,99%. (Com informações da Dow Jones Newswires)