Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Bovespa fecha em baixa, com movimento de realização de lucros

Sem a referência de Nova York em razão do Dia de Ação de Graças, o fluxo de compra por investidores estrangeiros que vinha sustentando a alta da bolsa nos últimos dias arrefeceu e o Ibovespa fechou em baixa nesta quinta-feira, 24, após quatro sessões consecutivas de ganhos, nas quais acumulou valorização de 3,70%. O volume negociado hoje, de apenas R$ 3,281 bilhões, não somente ficou abaixo da média diária de novembro (R$ 10,05 bilhões) como foi o menor desde o último dia 30 de maio. Naquela data, feriado do Memorial Day nos EUA, o giro havia sido de R$ 2,216 bilhões.

O índice à vista caiu 0,95% e terminou nos 61.395,53 pontos. Até chegou a operar momentaneamente em alta, marcando máxima de 62.105 pontos (+0,19%), mas o sinal negativo prevaleceu na maior parte do pregão. Em novembro, o Ibovespa apura perdas de 5,43% e em 2016, alta de 41,63%.

Segundo fontes nas mesas de renda variável, os mercados fechados em Nova York tornaram o pregão local modorrento, mas por outro lado também levaram os investidores a olhar um pouco mais para o noticiário doméstico. E, em Brasília, a temperatura subiu em razão da discussão do pacote anticorrupção que seria votado hoje na Câmara mas ficou para terça-feira. Deputados pressionam para inclusão de anistia à prática de Caixa 2 no texto, o que gerou críticas pesadas nas redes sociais e até do juiz Sérgio Moro.

Nos bastidores, a movimentação para apressar a matéria deve-se ao temor com relação ao que pode surgir da delação dos executivos da Odebrecht, já que ela tratará de doação de campanha e grande parte dos políticos recebeu dinheiro da empreiteira.

"Sem o mercado lá fora perde-se muito do volume e referências de preços e, do lado interno, temos esses ruídos vindos do Congresso. Lá fora, índices de NY renovando recordes. Foi um dia típico para realizar", disse o economista Álvaro Bandeira, da Modal Mais.

O movimento de correção foi visto nas blue chips, sobretudo Vale e siderúrgicas. Os papéis da Petrobras voltaram a cair, ainda penalizados pelas incertezas que rondam o mercado de petróleo. Por outro lado, a celebração de acordos para encerrar 11 ações individuais propostas perante a Corte Federal de Nova York foi bem recebida, uma vez que deve reduzir custos com ações judiciais. Petrobras PN recuou 1,70% e a ON, -1,35%. Vale PNA encerrou com perda de 1,79%. Vale ON caiu 2,06%. Os papéis até chegaram a mostrar avanço no início dos negócios, amparado no aumento de 2,7% no preço do minério, mas depois inverteram o sinal positivo. Nos últimos 30 dias, os papéis têm ganho acumulado de 40% (ON) e 32% (PNA).