Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Compras de aço pela rede de distribuição crescem 4,8% em outubro, diz Inda

As compras de aço pela rede de distribuição em outubro de 2016 subiram 4,8% em relação ao mesmo mês de 2015, totalizando 272,9 mil toneladas, de acordo com dados divulgados nesta terça-feira, 22, pelo Instituto Nacional dos Distribuidores de Aço (Inda). Em relação a setembro, as compras cresceram 3,7%. O volume inclui chapas grossas, laminados a quente, laminados a frio, chapas zincadas a quente, chapas eletro-galvanizadas, chapas pré-pintadas e gavalume.

Já as vendas de aços planos realizadas pela rede de distribuição mês passado alcançaram 256,2 mil toneladas, o que significou uma queda de 8,3% ante outubro de 2015. Na comparação com setembro, foi registrada alta de 2%.

Com esse desempenho, os estoques da rede de distribuição ficaram em 911,9 mil toneladas em outubro deste ano, o que representou um aumento de 1,9% na relação mensal. O giro dos estoques ficou em 3,6 meses em outubro, estável em relação a setembro.

As importações da rede subiram 50% na relação anual, para 136,4 mil toneladas em outubro. Ante setembro, a expansão foi de 116,8%.

Para novembro, o Inda projeta que tanto as vendas quanto as compras devem recuar 10%.

As vendas da rede de distribuição de aço deverão encerrar 2016 com queda de 5% em relação ao ano anterior, disse o presidente do Inda, Carlos Loureiro. Com isso, o volume no ano ficariam em 3,011 milhões de toneladas.

CSN

O salto das importações de aço no mês de outubro é explicada por uma pontual feita pela Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), de 39,5 mil toneladas de laminados a quente, provavelmente vindo da China, disse Loureiro.

2017

As expectativas do Inda é que em 2017 as vendas da rede cresçam 5% em relação a 2016, afirmou Loureiro. Essa projeção, ainda preliminar, considera um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) para o ano que vem de 1%.

Neste ano, as vendas devem encerrar com recuo de 5% em relação ao ano passado. Em 2015, as vendas já haviam recuado 20% em relação ao ano imediatamente anterior.