Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

'Consumo da Previdência é muito maior do que qualquer investimento', diz Baldy

O ministro das Cidades, Alexandre Baldy (sem partido-GO), que assumiu a pasta há menos de uma semana, reforçou na manhã desta segunda-feira, 27, o discurso do governo para pressionar o Congresso a aprovar a reforma da Previdência. "É um projeto que não é de governo, é de Estado", disse, em entrevista à rádio CBN. Baldy não garantiu que sua nomeação possa assegurar votos favoráveis à reforma, mas assumiu posição de "levar ao conhecimento dos congressistas a importância" de alterar as regras para aposentadoria no País.

"Um buraco cresce a cada ano e consome grande parte dos ministérios. O consumo da Previdência é muito maior do que qualquer investimento hoje por parte do governo e dos ministérios", afirmou o ministro.

Questionado sobre o caráter político de sua escolha para o ministério das Cidades, o goiano disse que "sempre foi mais um gestor do que um político". "Estou no meu primeiro mandato, sou um empreendedor. Claro que os critérios técnicos foram levados em consideração, mas a questão política também é importante." Ele também disse que ainda não se filiou ao Partido Progressista (PP), como esperado, e que tem "o foco somente no ministério".

Baldy garantiu estar "avaliando e se aprofundando" sobre os projetos realizados pela pasta neste ano antes de decidir se irá redistribuir unidades do Minha Casa Minha Vida. Ele é cobrado por aliados que acusaram seu antecessor, Bruno Araújo (PSDB), de ter beneficiado o Estado de Pernambuco - berço eleitoral do tucano. "É muito apequenado o debate se for levado para o campo político. Temos que avaliar se todos foram atendidos dentro dos critérios de déficit habitacional."

O ministro ainda destacou o Minha Casa Minha vida como "um dos projetos sociais mais importantes, se não o mais importante no governo do presidente Michel Temer (PMDB)" e disse acreditar que terá respaldo financeiro para mantê-lo e tentar ampliá-lo em 2018 - com a ressalva de que "o futuro será extremamente sombrio" sem a reforma da Previdência.

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo