Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Cotia Trading pede recuperação judicial

A Cotia Trading, uma das mais tradicionais do País e que se tornou referência nos anos 1980, entrou ontem com pedido de recuperação judicial na 1ª Vara Cível da Comarca de São Paulo. Com dívidas de cerca de R$ 700 milhões, a trading já estava em negociações desde o fim do ano passado com seus principais credores, mas não chegou a um acordo definitivo, apurou O Estado.

A trading, que já vinha enfrentando dificuldades nos últimos anos, teve sua situação financeira agravada entre 2014 e 2015, com a inadimplência de clientes, de cerca de R$ 250 milhões - entre eles, a Camisaria Colombo, que fechou um acordo extrajudicial para alongar uma dívida de R$ 1,5 bilhão.

Em 2011, a comercializadora também foi afetada com a importação de caminhões feita um pouco antes d a elevação do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) em 30 pontos porcentuais.

O faturamento da trading - que tem como principais clientes empresas do setor automobilístico e de varejo de vestuário - cairá dos R$ 3 bilhões obtidos no ano passado, para cerca de R$ 1 bilhão este ano, apurou o Estado.

Diante do cenário de crise, a trading contratou, em dezembro do ano passado, a consultoria financeira Íntegra Associados, de Renato C. Franco, para tentar renegociar extraoficialmente as dívidas da companhia com os bancos credores - Bradesco, HSBC, Bladex (Banco Interamericano de Desenvolvimento), Banco do Brasil, Votorantim, Banrisul e Santander -, além da Jaguar Land Rover UK.

Tentativa de acordo

As negociações com os bancos seguiram bem, mas as conversas não avançaram no mesmo ritmo com a Land Rover, segundo fontes a par do assunto. Diante disso, há duas semanas, a companhia decidiu entrar com pedido de recuperação judicial.

No pedido, foram incluídas a Cotia Vitória, empresa operacional, e a Cotia Vitória Trading Empreendimentos, holding do grupo. As empresas abaixo da holding, áreas portuárias e fora do País não entraram no pedido. A expectativa é apresentar um plano de recuperação nos próximos 60. O escritório Renato Mange Advogados é o assessor jurídico da companhia. Procurada, a Cotia Trading não se manifestou.

No plano extrajudicial, chegou a ser discutido um prazo de carência para as dívidas, sem desconto dos juros dos débitos.

O Estado apurou que, do total do endividamento, cerca de R$ 600 milhões pertencem a credores quirografários (não possuem garantia) e outros R$ 100 milhões de credores com garantia real.

Fundada há 40 anos para ser uma trading exportadora de carnes para seus de seus antigos donos - a família de pecuaristas de Ovidio Miranda de Brito, que também tinha frigorífico -, a companhia era exportadora até o início dos anos 1990. Quando o governo de Fernando Collor de Mello abriu o mercado para importações, a Cotia Trading passou a importar automóveis e atuar no varejo de vestuário.

O grupo chegou a ser o maior importador de veículos com a abertura de mercado a partir dos anos 90. Com isso, a atividade de exportação, embora tenha uma margem maior, perdeu espaço e responde por 30% dos volumes movimentados pela trading.

Em 2002, a Cotia Trading mudou de mãos, passando para seis executivos - Eduardo Mangabeira Albernaz, Paulo Mangabeira Albernaz, Fernando Menge, Edson Paz, Felipe Figliolini e Ricardo Assis, que detêm 80%, e para outros três ex-executivos, com os 20% restantes. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.