Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Dois de cinco maiores bancos manifestam interesse por Banco Postal, diz Correios

Dois dos cinco maiores bancos do País já manifestaram interesse em assumir o Banco Postal e retiraram o edital para fazerem as propostas, disse o vice-presidente dos Correios, Cristiano Morbach, ao jornal O Estado de S. Paulo. O executivo acredita que, até o fim da próxima semana, outras instituições devem se apresentar a tempo de elaborar uma oferta pelo negócio, criado para aumentar a inserção dos brasileiros no sistema financeiro.

A apresentação das propostas deve ocorrer no dia 11 de novembro. O edital foi feito para também permitir a participação de bancos menores, ao diminuir a exigência de capital das instituições financeiras interessadas no Banco Postal. No entanto, os dois bancos que já retiraram o edital fazem parte do Top 5 de maiores conglomerados.

Morbach disse que a operação será bem-sucedida e contribuirá para melhorar o resultado dos Correios em 2016. O vencedor terá que pagar já neste ano R$ 600 milhões pelo negócio. O mesmo valor terá que ser desembolsado no início do sexto ano da operação - o contrato é de dez anos e poderá ser prorrogado por mais dez. Pela utilização da rede e participação nas tarifas bancárias, os Correios também embolsarão outros R$ 2,4 bilhões ao longo dos primeiros dez anos do contrato.

Os Correios contam com esse reforço no caixa para fechar no azul neste ano. Nos últimos três anos, a estatal registrou rombo, sendo o de 2015 de R$ 2,1 bilhões. O melhor resultado da história dos Correios foi justamente o de 2012, quando o Banco do Brasil assumiu o comando do Banco Postal, num lance de R$ 2,3 bilhões por cinco anos de contrato.

"Temos necessidade de tornar rentável essa rede", disse o vice-presidente. Com receita em torno de R$ 1 bilhão por ano, o Banco Postal é responsável por 30% do faturamento da rede dos Correios e 7% de todos os negócios da empresa, que tem o monopólio no envio de cartas pessoais e comerciais.

Ele afirma que há "N" possibilidade de ganhar dinheiro com a rede, presente em todos os municípios brasileiros. Cita, por exemplo, a exploração dos serviços de telefonia móvel como operadora virtual, chamada de MVNO (Mobile Virtual Network Operador). No formato, a estatal usará a infraestrutura da operadora contratada, mas com chips da marca Correios. O banco vencedor também poderá ofertar nas agências da estatal outros produtos financeiros, como seguros.

Para Morbach, os bancos criticam o modelo do Banco Postal como estratégia para baratear o negócio. Ele lembra que, embora o avanço dos canais seja uma realidade, a realidade do interior do Brasil é diferente e muitos municípios brasileiros só oferecem serviços financeiros pelos Correios. Segundo o Banco Central, 1.987 cidades não têm agência bancária, mas 1.633 delas possuem um ponto de atendimento, como os Correios, que prestam serviços bancários básicos, como transferências, abertura de contas, saques e recebimento do INSS.

O vice-presidente dos Correios disse que há decisões judiciais a favor dos Correios para que não haja uma equiparação de salário e jornada dos funcionários que trabalham nas agências com Banco Postal e os bancários. Além disso, segundo ele, a empresa também não é obrigada a reforçar a segurança da mesma forma que agências bancárias, com porta com detector de metais e vigilância armada. De acordo com os bancos, essas são duas questões que elevariam consideravelmente os custos da operação.

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo