Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Dólar à vista recua 0,29%, em linha com movimento da divisa no exterior

Depois de figurar no campo negativo durante boa parte da sessão, o índice Dollar Index - que mede a força do dólar contra uma cesta de moedas de países desenvolvidos - inverteu a tendência e passou a subir. Isso fez com que o dólar à vista reduzisse as perdas no mercado doméstico.

O dólar à vista fechou em baixa de 0,29%, a R$ 3,2207. O volume foi de US$ 1,153 bilhão. Na mínima, chegou a R$ 3,2147 (-0,48%) e, na máxima, a R$ 3,2364 (+0,08%).

"As chamadas divisas de reserva, tais como o euro e o iene, se apreciaram bastante ante o dólar nos últimos pregões, e isso fez com que os investidores dessem início a um movimento de realização nesta segunda-feira", afirma José Raimundo Faria Júnior, diretor da Wagner Investimentos. Em novembro, até o dia 27, o euro teve uma valorização de 2,21% ante o dólar, enquanto, no acumulado de 2017, o porcentual chegou a 13,19%.

Foi, portanto, o cenário externo que balizou a oscilação da moeda americana no mercado doméstico. Segundo Faria Júnior, a cotação do dólar à vista está andando de lado, sem conseguir romper a faixa de R$ 3,20 a R$ 3,25. "No entanto, essa banda deve ser rompida em caso de aprovação da reforma da Previdência, pleiteada pelo governo brasileiro. Outra força importante que pode puxar a cotação do dólar (ante o real) para baixo é a estratégia que o Banco Central pode adotar para rolar os mais de US$ 9,6 bilhões de contratos de swap cambial, que vencem em 2 de janeiro de 2018", afirma Faria Júnior.

Nos próximos dias, o investidor deve ficar atento à agenda externa, que inclui a possível confirmação, pelo Senado dos EUA, de Jerome Powell para a presidência do Federal Reserve (Fed, o banco central americano). Já no mercado doméstico, o que deve pautar a volatilidade do câmbio é a articulação para a aprovação da reforma da Previdência. "Por enquanto, os investidores estão à espera de novidades para definir se estão mais otimistas ou pessimistas com a pauta", diz Cleber Alessie Machado Neto, operador da H.Commcor. "É uma linha tênue."

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo