Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Dólar cai a R$ 3,38 com menor tensão política, mas Bolsa recua 1,2%

EULINA OLIVEIRA

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O real foi uma das poucas moedas, entre as principais do mercado, a ter valorização ante o dólar nesta quinta-feira (8). Segundo analistas, a diminuição da tensão no cenário político, após a permanência de Renan Calheiros (PMDB-AL) na presidência do Senado, influenciou o câmbio doméstico.

A Bolsa recuou 1,20%, na contramão do exterior, com investidores vendendo ações e embolsando lucros após as altas recentes.

A moeda americana à vista terminou a sessão em baixa de 0,81%, a R$ 3,3839; o dólar comercial caiu 0,61%, a R$ 3,3830.

Pela manhã, o Banco Central renovou mais 15 mil contratos de swap cambial tradicional que vencem em janeiro, no montante de US$ 750 milhões. A operação equivale à venda futura de dólares.

Para Ricardo Gomes da Silva, superintendente de câmbio da Correparti Corretora, prevaleceu o bom humor com a certeza de que, com a permanência de Renan, a PEC (proposta de emenda constitucional) que limita os gastos públicos será aprovada em segundo turno pelo Senado na semana que vem.

Nesta quarta-feira (8), o STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu, por 6 votos a 3, manter o peemedebista na presidência do Senado, mas o tirou a linha sucessória da Presidência da República por ser réu em um processo. Caso Renan fosse afastado, havia o temor de que a PEC não fosse votada.

"A decisão do STF trouxe um pouco de sossego, mas os investidores estrangeiros estão na retaguarda, já que as vendas de dólares estão sendo feitas apenas por exportadores", afirma o superintendente de câmbio.

Segundo ele, a decisão do Supremo de manter Renan no cargo foi essencialmente política, e não técnica, o que traz insegurança jurídica para os investidores estrangeiros.

No mercado de juros futuros, as taxas recuaram, refletindo a queda do dólar e o ambiente de menor aversão ao risco.

BOLSA

Na Europa e nos EUA, as Bolsas subiram, reagindo à extensão do programa de estímulos monetários do BCE (Banco Central Europeu) até dezembro de 2017. O programa terminaria inicialmente em março.

Entretanto, o BCE reduziu as recompras de ativos a partir de abril para 60 bilhões de euros mensais, de 80 bilhões de euros atualmente.

A autoridade monetária informou ainda que pode aumentar o tamanho ou a duração de seu programa de estímulos monetários, "se necessário".

O Ibovespa foi na contramão do exterior e encerrou a sessão em queda de 1,20%, aos 60.676,57 pontos, depois de subir nas duas sessões anteriores. O giro financeiro foi de R$ 6,5 bilhões.

"Após a solução do impasse entre os Poderes [Legislativo e Judiciário], vemos menos 'gatilhos' positivos neste momento, e um volume de negócios mais fraco, já típico de um final de ano", escreve a equipe de análise da Guide Investimentos.

As ações preferenciais da Petrobras caíram 1,00%, mas as ordinárias subiram 0,21%. Os papéis da Vale recuaram 3,98% (PNA) e 2,90% (ON).

No setor financeiro, Itaú Unibanco PN perdeu 0,58%; Bradesco PN, -1,04%; Bradesco ON, +0,65%; Banco do Brasil ON, -0,74%; Santander unit, +0,14%; e BM&FBovespa ON, -0,67%.

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo